Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Petróleo recua com incertezas sobre default da Grécia

Por Paula Moura

Nova York – Os preços dos contratos futuros do petróleo fecharam em queda de US$ 1, ou 1,07%, em US$ 92,19 o barril na New York Mercantile Exchange (Nymex), com a reverberação das novas preocupações sobre a possibilidade de um default da Grécia nos mercados financeiros. A convocação surpresa do premiê grego, George Papandreou, para um referendo sobre o plano de resgate aprovado por líderes europeus na semana passada atingiu o euro e fez o dólar subir bastante. Isso fez com que os investidores fugissem das commodities denominadas em dólar, pressionando os contratos futuros de petróleo da Nymex para abaixo de US$ 90 o barril pela primeira vez em seis dias.

“As notícias de hoje levantaram temores de um default da Grécia”, disse Gene McGillian, analista da Tradition Energy, em Stamford, Connecticut, prevendo uma queda potencial do petróleo para perto de US$ 85 o barril. Na plataforma ICE, o contrato do petróleo tipo Brent para dezembro fechou em baixa de US$ 0,02, ou 0,02%, em US$ 109,54 o barril.

O drama da Grécia se juntou a um cenário de preocupações sobre a força do setor industrial nos dois maiores consumidores de petróleo do mundo. O índice manufatureiro dos gerentes de compras do Instituto de Gerenciamento de Oferta dos Estados Unidos caiu de 51,6 pontos em setembro para 50,8 pontos em outubro. No entanto, indicadores de aumento de demanda deram sinais de esperança para a performance do quarto trimestre nos EUA, maior consumidor de petróleo do mundo, avaliam analistas.

Na China, o Índice dos gerentes de compras caiu para seu nível mais baixo desde fevereiro de 2009, recuando de 51,2 pontos em setembro para 50,4 pontos em outubro. Nos dois indicadores, uma leitura abaixo dos 50 pontos indicaria contração de atividade. O declínio levantou novas preocupações sobre a força do papel da China como motor global do crescimento da demanda de petróleo. A Agência Internacional de Energia projeta que a China será responsável por 52% do aumento da demanda mundial de petróleo de 1 milhão de barris por dia neste ano e por 37% do crescimento para 1,3 milhão de barris por dia previstos para 2012.

Analistas projetam que os estoques de petróleo dos EUA aumentem em 900 mil barris, o que manteria os estoques de petróleo e derivados na média de cinco anos, continuando uma tendência de queda na projeção de inventários, que mantém uma pressão descendente sobre os preços nos últimos meses. As informações são da Dow Jones.