Clique e assine com até 92% de desconto

Petróleo do Texas fecha em alta de 0,96%

Por Da Redação 1 ago 2012, 17h17

Nova York, 1 ago (EFE).- O petróleo do Texas subiu nesta quarta-feira 0,96%, cotado a US$ 88,91 por barril, após ser anunciado que as reservas nos Estados Unidos diminuíram 6,5 milhões de barris na semana passada.

Em Londres, o barril do Brent para entrega em setembro, petróleo de referência na Europa, terminou a terceira sessão da semana com uma alta de 0,99%, cotado a US$ 105,96 no International Exchange Futures.

Ao fim da sessão na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) para entrega em setembro, os de mais próximo vencimento, subiram US$ 0,85 em relação ao fechamento de terça-feira.

A alta de hoje interrompeu duas quedas seguidas, após ser anunciado que as reservas de petróleo dos EUA diminuíram 6,5 milhões de barris na semana passada e ficaram em 373,6 milhões, segundo o Departamento de Energia.

As reservas de petróleo ainda estão acima da média para esta época do ano, 5,2% maior do que há um ano. A alta de hoje coincidiu também com o final da reunião de dois dias do Comitê do Mercado Aberto do Federal Reserve (Fed), que seguiu sem dar pistas sobre a adoção de novas medidas para estimular o crescimento econômico nos EUA.

Os contratos de gasolina com vencimento em setembro, que a partir de hoje se tornam referência, subiram US$ 0,05 para fechar em US$ 2,83 por galão (3,78 litros), após ser anunciado que as reservas dos EUA diminuíram em 2,2 milhões de barris (-1%) e ficaram em 207,9 milhões.

Já os contratos de gasóleo para calefação, também com vencimento nesse mesmo mês a partir de hoje, avançaram US$ 0,01 para terminar a sessão em US$ 2,85 por galão, após ser anunciado que as reservas dos EUA diminuíram em 1 milhão de barris (-0,8%) e ficaram em 124,3 milhões.

À espera do anúncio de suas reservas amanhã, os contratos de gás natural com vencimento em setembro diminuíram US$ 0,03, até fechar a sessão em US$ 3,17 por cada mil pés cúbicos. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade