Clique e assine a partir de 9,90/mês

Petrobras lança programa de R$ 3 bi para desenvolver cadeia de petróleo

O prazo do investimento será até 2016 e tem como objetivo fomentar pesquisa e desenvolvimento no setor

Por Da Redação - 13 ago 2012, 12h06

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira o lançamento oficial de ações para desenvolvimento da cadeia nacional de fornecedores para a área de petróleo, gás e naval. As iniciativas fazem parte do Plano Brasil Maior, programa do governo federal lançado em 2011 para aumentar a competitividade da indústria nacional.

Entre os programas assinados nesta terça-feira pela Petrobras para desenvolver a cadeia nacional de fornecedores para a área de petróleo está o Inova Petro, com 3 bilhões de reais de recursos para fomento a projetos de inovação (pesquisa, desenvolvimento, engenharia, absorção tecnológica, produção e comercialização de produtos).

O programa tem duração prevista até 2016 e terá os recursos divididos igualmente entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e conta ainda com apoio da Petrobras, que oferecerá conhecimento técnico e ajudará na seleção dos projetos.

Leia mais:

Petrolíferas penam para cumprir meta de conteúdo nacional

Uma nova era do petróleo está a caminho

Continua após a publicidade

BNDES quer emprestar mais para a cadeia de petróleo

Objetivo – Para Luciano Coutinho, presidente do BNDES, o montante inicial do Inova Petro é modesto, mas um primeiro passo no desenvolvimento de tecnologias na cadeia de fornecedores do setor de petróleo e gás. “Espero que nos próximos anos esse programa possa ser multiplicado”, disse Coutinho.

Ele afirmou ainda que a exploração do petróleo na camada pré-sal coloca inúmeros desafios tecnológicos, mas oferece também oportunidades de desenvolvê-los. Segundo ele, é importante o desenvolvimento de um programa que conjugue diferentes instrumentos, como crédito em condições favoráveis, subvenção econômica (recursos não reembolsáveis) e até participações acionárias por meio do BNDESPar, braço de investimentos em empresas do banco de fomento.

“Teremos a possibilidade de apoiar projetos de risco mais elevado, vencendo o vale da morte da pesquisa e desenvolvimento”, disse Coutinho, referindo-se à “a conexão dos elos mais difíceis” do desenvolvimento tecnológico inicial à criação de sistemas de produção.

Mais – Outra iniciativa anunciada nesta terça-feira foi o memorando de entendimentos que estabelece ação conjunta do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), Petrobras e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) para desenvolvimento de Arranjos Produtivos locais (APLs) e atrair fornecedores para o entorno de empreendimentos da Petrobras.

A cerimônia de lançamento, realizada na sede da companhia no Rio de Janeiro, contou com a presença dos ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel; e da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp; o secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis do Ministério das Minas e Energia, Marco Antonio Martins de Almeida; a presidente da Petrobras, Maria das Graças Silva Foster; os presidentes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho; da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Glauco Arbix; e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Mauro Borges Lemos.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade