Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Peru embarga carne do Brasil por suspeita de vaca louca

O Ministério da Agricultura aguarda o resultado laboratorial sobre a suspeita de um caso atípico (que não apresenta risco de transmissão da doença) em Mato Grosso

O Peru impôs embargo temporário, de 180 dias, à carne bovina procedente do Brasil por causa da suspeita de um caso atípico de vaca louca em Mato Grosso, informou nesta quinta-feira o Ministério da Agricultura brasileiro.

O Peru, responsável por apenas 4,91% das exportações de carne bovina industrializada brasileira, é o primeiro país a anunciar a restrição ao produto do Brasil, o maior exportador global. Caso seja confirmado, será o segundo caso atípico, ou seja, que não apresenta risco de transmissão da doença no Brasil.

No final de 2012, houve tal ocorrência no Paraná, o que levou alguns países a decretarem restrições à carne brasileira, impactando as exportações em 2013 – apesar de o caso ter sido classificado como “atípico”.

O presidente da Minerva Foods, Fernando Galletti, disse acreditar que eventuais restrições em 2014 fiquem limitadas ao Mato Grosso, principal Estado produtor de gado do Brasil. A companhia é a segunda exportadora de carne bovina do país, atrás da JBS.

Leia também:

Rússia suspende compra de carne de empresas no Brasil

Minerva compra frigorífico no Uruguai por US$ 37 milhões

O Brasil, que trabalha com a perspectiva de atingir exportações recordes em 2014, avalia que o animal de Mato Grosso apresentou evidências de ter um caso atípico de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), o nome técnico da doença da vaca louca.

O ministério aguarda para esta semana o resultado do laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) ratificando o resultado de avaliações realizadas no Brasil.

No caso atípico, que ocorre de forma esporádica e espontânea, principalmente em animais mais velhos, não há relação com a ingestão de ração animal contaminada. A vaca morta em Mato Grosso tinha doze anos, nasceu e foi criada na mesma fazenda, em sistema extensivo de produção a pasto e sal mineral, segundo o ministério.

No caso clássico, a doença é transmitida por ração contaminada com o príon, por ter sido elaborada com a carne processada de animais infectados. De qualquer forma, a carne e outros produtos do animal de Mato Grosso não ingressaram na cadeia alimentar, e o material de risco específico foi incinerado, segundo o ministério.

(com agência Reuters)