Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Patrocinadora de Djokovic, Lacoste quer falar com tenista após deportação

Em comunicado, empresa francesa afirma que quer entender com o atleta o episódio que impossibilitou a participação do número 1 do mundo no Australian Open

Por Larissa Quintino Atualizado em 17 jan 2022, 16h00 - Publicado em 17 jan 2022, 15h41

O tenista sérvio Novak Djokovic foi deportado da Austrália após as autoridades do país cancelarem seu visto por duas vezes. O atleta, que não se vacinou contra a Covid-19, enfrentou problemas com as autoridades ao tentar entrar no país para disputar o Australian Open, um dos principais torneios da modalidade. Após perder este duelo, o tenista terá que enfrentar outra partida fora das quadras, desta vez com seus patrocinadores. Um deles, a Lacoste, afirmou nesta segunda-feira, 17, que pretende conversar com o tenista para entender o imbróglio resultante na deportação do número 1 no ranking da ATP.

“Assim que possível, entraremos em contato com Novak Djokovic para revisar os eventos que acompanharam sua presença na Austrália”, disse a marca francesa de roupas em comunicado a imprensa australiana. “Desejamos a todos um excelente torneio e agradecemos aos organizadores por todos os esforços para garantir que o torneio seja realizado em boas condições para jogadores, funcionários e espectadores”, acrescentou.

O contrato de Djokovic com a Lacoste é o mais lucrativo para ele, avaliado em cerca de 9 milhões de dólares, de acordo com a imprensa americana. A Forbes avalia que os contratos de patrocínio do tenista estejam em torno de 30 milhões de dólares. Além da Lacoste, Djoko tem entre os apoiadores a marca de material esportivo Asics e a montadora francesa Peugeot.

O sérvio de 34 anos enfrenta problemas com as autoridades australianas desde 5 de janeiro, quando seu visto foi revogado na sua chegada ao país. A Austrália exige que estrangeiros estejam vacinados para entrar no país, a menos que tenham isenção médica. O tenista conseguiu liberação da justiça do país, possibilitando assim que ele jogasse o torneio, mas as autoridades do governo questionaram novamente o visto de Djokovic, alegando problemas no preenchimento do relatório.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês