Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Parente desmonta plano de Abilio e ações da BRF disparam

O novo presidente da companhia tornou pública a decisão de vender 5 bilhões de reais em ativos

As ações da BRF subiram 14,83% nesta segunda-feira na bolsa de valores após anúncio de reestruturação da empresa. Na última sexta-feira, a dona das marcas Sadia e Perdigão, imersa há meses em grave crise, tornou pública a decisão de vender 5 bilhões de reais em ativos, passando para frente fábricas na Europa, na Tailândia e na Argentina.

A venda das unidades faz parte de um amplo plano de reestruturação que inclui ainda a demissão de mais de 4.000 funcionários no Brasil e redução dos cargos de chefia.

O presidente global da companhia, Pedro Parente, afirmou que a BRF está, neste momento, redefinindo os objetivos de curto prazo. Com isso, vai desacelerar o plano de internacionalização, que era prioridade na gestão anterior, sob o comando da gestora Tarpon e do empresário Abilio Diniz.

Maior exportadora de frango do mundo, a companhia não pretende deixar de atender os consumidores europeus, argentinos e tailandeses. Mas o foco, a partir de agora, serão os mercados brasileiro, asiático e muçulmano este último com a atuação da Banvit, empresa adquirida no ano passado na Turquia.

A reestruturação, aprovada pelo conselho de administração, ocorre duas semanas após Parente assumir a presidência da companhia, cargo que passou a acumular com o comando do colegiado. O plano é uma tentativa de reação da empresa, que sofreu baques sucessivos nos últimos meses.

Alvo em março de nova fase da Operação Carne Fraca, na qual alguns de seus ex-executivos foram presos, a BRF teve vendas bloqueadas pela União Europeia e pela Rússia, perdendo acesso a alguns de seus maiores mercados. Mais recentemente, a China passou a sobretaxar a importação de frango do país, mais um revés para o grupo.

A greve dos caminhoneiros no Brasil também atingiu fortemente a empresa, afetando as vendas, a produção de matérias-primas e o aumento de custos. Com isso, os ajustes na estrutura fabril se tornaram necessários. Segundo a BRF, 5% dos 88.000 funcionários do Brasil serão demitidos ao final da reestruturação uma parte já foi dispensada.

Vendas

O objetivo da BRF é levantar esses 5 bilhões de reais já nos próximos seis meses, reduzindo, assim, o endividamento da companhia, de 14 bilhões de reais. A empresa já começou a conversar com bancos e deve fechar os mandatos nos próximos dias. No pacote que será oferecido ao mercado, há unidades produtoras e centros de distribuição no Reino Unido, na Holanda, na Argentina e na Tailândia.

As unidades foram escolhidas por ser menos rentáveis que as fábricas no Brasil e no mercado muçulmano. “Buscamos a melhora da produtividade e da rentabilidade no longo prazo”, afirmou o diretor financeiro, Lorival Luz.

A BRF também está vendendo ativos imobiliários e participações em empresas, como o frigorífico Minerva. Nos últimos dias, reduziu sua fatia de 11,3% para quase 6% na empresa.

Internamente, o número de vice-presidências foi cortado de catorze para dez. A empresa, que perdeu dezenas de executivos nos últimos anos para a concorrência, ainda busca preencher vagas estratégicas. Ex-presidente da Petrobras, Parente acumulará o comando da BRF e do conselho de administração por até um ano. Depois, terá de escolher qual função exercerá. Ele diz ter disposição para seguir com a companhia de alimentos caso seja de interesse de seus acionistas. Como o foco de vendas no mercado interno será intensificado, a BRF pretende reforçar a estratégia de suas marcas mais famosas, a Perdigão e a Sadia, e seguir com a popularização da Kideli, lançada no ano passado para atuar nos segmentos de baixa renda, como atacarejos.

Ações

O plano anunciado encerra especulações sobre possível injeção de capital pelos sócios. A avaliação é que a empresa tem caixa robusto e uma chamada de capital não é necessária no curto prazo. Por outro lado, a venda de ativos e a redução do endividamento podem ajudar a levantar as ações, que sofreram muito. Em um ano, a BRF perdeu 16,3 bilhões de reais na bolsa, mais da metade de seu valor de mercado.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Joao Marques

    O Brasil precisa de mais CEOs como Pedro Parente. É Ayn Rand em ação.

    Curtir