Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Otimismo volta aos mercados globais após sinais de Powell sobre juros

Abertura de mercado: presidente Fed disse que vê riscos de cortar juros cedo demais da mesma maneira teme esperar demais para cortar as taxas

Por Tássia Kastner
Atualizado em 8 Maio 2024, 13h33 - Publicado em 4 abr 2024, 08h08

Os ânimos das bolsas globais arrefeceram depois do susto com uma possível reviravolta nas apostas de cortes de juros por parte do Fed. Nesta manhã, os principais índices voltam a ter viés de alta, com Europa no positivo e os futuros americanos contratando a mesma direção para o pregão regular.

Jerome Powell tem sido ao mesmo tempo o good cop e o bad cop do mercado financeiro. Na semana passada, a fala do presidente do BC causou agitação. Ontem, foi a fonte do alívio. Powell disse que vê riscos de cortar juros cedo demais da mesma maneira teme esperar demais para cortar as taxas. Tudo muito parecido com o que ele diz faz tempo.

Hoje será dia de muitas declarações dos Fed Boys. E dado os ânimos sensíveis dos investidores, a turma do BC americano será ouvida com ainda mais atenção, para comparar o que dizem os colegas de Powell com as declarações do chefe.

Isso num pregão “filler“, em que não há um indicador muito forte no exterior para guiar os mercados – e com a expectativa pelos dados do payroll, que sai amanhã.

Nesta manhã, não havia referência para o EWZ em Nova York. Os recibos de ações da Vale sobem, enquanto os papéis da Petrobras caem.

Continua após a publicidade

No Brasil, o câmbio passou a atrair mais atenção da Faria Lima, após o repique do dólar – que tem causas majoritariamente externas, de acordo com o próprio presidente do BC, Roberto Campos Neto. Não é só o Brasil que está sofrendo. Moedas de países como Japão, Turquia e Indonésia também estão sob forte pressão, e bancos centrais têm intervido no câmbio para evitar oscilações bruscas.

Aqui, a ação do BC foi isolada, e ligada ao vencimento de títulos públicos em dólar. Campos Neto voltou a dizer que no Brasil o câmbio é flutuante.

Nesta quinta, o BC divulga dados de fluxo cambial semanal, que ajudará a entender as razões por trás da oscilação aqui no Brasil. Bons negócios.

Agenda do dia

8h30: BCE divulga ata da última reunião
8h30: BC divulga contas do setor externo de fevereiro
9h30: EUA divulgam balança comercial de fevereiro
9h30: Pedidos de auxílio-desemprego
10h45: Patrick Harker (Fed/Filadélfia) participa de painel
13h15: Thomas Barkin (Fed/Richmond) fala em evento
13h45: Austan Goolsbee (Fed/Chicago) participa de painel
14h30: BC divulga fluxo cambial semanal
15h: Loretta Mester (Fed/Cleveland) fala em evento
15h: Neel Kashkari (Fed/Minneapolis) fala em evento
15h15: MDIC divulga balança comercial de março
19h: Gabriel Galípolo faz palestra na Necton (SP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.