Clique e assine a partir de 9,90/mês

Osklen será marca mundial de luxo da Alpargatas

Segundo diretor-presidente da Alpargatas, as conversas com a Osklen começaram há um ano e meio e fazem parte da estratégia do grupo há oito anos

Por Da Redação - 11 out 2012, 10h38

Criada há 23 anos pelo médico e estilista Oskar Metsavaht, a Osklen é a nova aposta da Alpargatas para aumentar sua presença no mercado internacional, após o sucesso da experiência com a Havaianas. O grupo brasileiro de moda aposta na grife carioca como uma �porta de entrada� para o mercado de luxo mundial, hoje dominado por marcas de conglomerados como os franceses PPR e LVMH.

Na quarta-feira, a Alpargatas, controlada pelo grupo Camargo Corrêa, confirmou a compra de 30% de participação na Osklen. A informação foi adiantada pela coluna Radar On-line, do colunista Lauro Jardim. A Alpargatas divulgou que o desembolso inicial na transação será de 67,5 milhões de reais. No entanto, o contrato firmado entre as partes garante à proprietária da Havaianas a opção de elevar sua fatia para 60% em 12 meses, o que deve fazer com que o negócio chegue ao dobro do valor.

De acordo com Márcio Utsch, diretor-presidente da Alpargatas, as conversas com a Osklen começaram há cerca de um ano e meio e fazem parte de uma estratégia definida pelo grupo há oito anos: a formação de um portfólio de marcas com potencial para virar �objeto de desejo�. Foi com esse intuito que, além de internacionalizar a Havaianas, a Alpargatas comprou o direito de explorar as grifes esportivas Mizuno e Timberland no país.

A Osklen, porém, tem um posicionamento diferente porque, apesar de investir em um portfólio de moda casual, traz características geralmente associadas ao mercado de altíssima renda. Segundo o professor Silvio Passarelli, diretor do MBA em Gestão do Luxo da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), a Osklen mostra uma �constância de propósitos e valores� condizente com as marcas mais desejadas do mundo. �Desde a fundação, o desenvolvimento da Osklen tem sido sólido, apesar de um tanto lento�, diz Passarelli.

Continua após a publicidade

(Com Agência Estado)

Publicidade