Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

O impulso dado à economia pelo consumo das famílias

Setor supermercadista comemora alta de 2,74% no período; programas de transferência de renda, mercado de trabalho e recuo da inflação impulsionam os dados

Por Pedro Gil Atualizado em 28 jul 2023, 13h01 - Publicado em 28 jul 2023, 08h17

A melhora nos indicadores da economia brasileira passa por um indicador-chave: o consumo das famílias. De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), o consumo cresceu 2,74% no primeiro semestre deste ano. Na comparação de junho deste ano contra o mesmo período do ano passado, o avanço é de 6,96%. O impulso no setor supermercadista é diretamente relacionado com a desaceleração da inflação, programas de transferência de renda e o impulso do mercado de trabalho.

“Registramos um consumo consistente e gradual até o fim do semestre favorecido pelo recuo do desemprego, de reajustes salariais, da consolidação dos programas de transferência de renda. Para os próximos meses, se mantida a menor pressão da inflação sobre a cesta de alimentos, o consumo tende a ser crescente, pois há datas importantes que incentivam o consumo como o Dia dos Supermercados, a Black Friday e as festas de fim de ano”, analisa o vice-presidente da Abras, Marcio Milan.

No cenário econômico foram destaques no semestre o montante de cerca de 85,4 bilhões de reais em recursos dos programas de transferência de renda do governo federal: Bolsa Família, Primeira Infância (a partir de março) e o Benefício Variável Familiar (a partir de junho) e os Auxílios Gás pagos em fevereiro (112 reais), abril (100 reais) e junho (109 reais). Ainda movimentaram o consumo nos lares os reajustes do salário-mínimo em janeiro (7,42%) e em maio (1,40%) para mais de 60 milhões de pessoas, os reajustes das bolsas da educação CAPES e CNPQ (2,4 bilhões de reais), os reajustes dos servidores civis do Poder Executivo (11,2 bilhões de reais), o resgate do PIS/Pasep (20,2 bilhões de reais), o pagamento dos lotes residuais de Imposto de Renda 2022 (618 milhões de reais), a ampliação da isenção do imposto de renda para 2 640 reais, os pagamentos do 1º e 2º lotes de Restituição do Imposto de Renda (15 bilhões de reais), o pagamento de precatórios (31,1 bilhões de reais), a antecipação do 13º de aposentados e pensionistas do INSS (62,6 bilhões de reais).

No segundo semestre, recursos como o pagamento do 13º dos trabalhadores com carteira assinada devem entrar na economia . O pagamento de três lotes de restituições do Imposto de Renda 2023 somados à manutenção dos programas de transferência de renda devem produzir importantes efeitos no consumo das famílias. No período, os consumidores terão ainda ofertas e ações comemorativas do Dia dos Supermercados, que será celebrado em 11 de novembro. Há também no calendário datas que tradicionalmente impulsionam o consumo: Dia dos Pais, Dia das Crianças, Black Friday, Natal e Ano Novo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.