Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Nubank irrita investidores e leva invertida do mercado

Divulgação das cifras milionárias de remuneração aos executivos pesou sobre o desempenho das ações, que já acumulam perdas de 35% desde o IPO

Por Luana Meneghetti Atualizado em 6 Maio 2022, 10h53 - Publicado em 5 Maio 2022, 16h13

O Nubank gerou um enorme frenesi no mercado quando realizou sua abertura de capital, mas a euforia não se manteve. Os papéis do banco estão derretendo e corroem a cada dia o seu valor de mercado. Com pouco menos de cinco meses de negociações na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), a fintech que chegou a atingir o status banco mais valioso da América Latina já perdeu mais de 15 bilhões de dólares em valor de mercado, estando agora avaliada em 26,5 bilhões de dólares. Como se não bastasse o cenário ruim, o próprio banco acabou provocando a fúria de investidores com a divulgação das cifras milionárias de remuneração aos executivos.

Parte do processo de derretimento é reflexo do mau humor do mercado com as ações de tecnologia, que estão sendo penalizadas pela política de elevação da taxa de juros nos Estados Unidos, mas agora elas também sofrem o efeito da fúria e desconfiança dos investidores. A divulgação dos 816 milhões de reais em remuneração que será paga a seus principais executivos e membros do conselho de administração gerou muita discussão. Como é comum nas empresas, a maior parte da bolada ficará com a diretoria executiva, que são os responsáveis pela gestão do dia a dia, o corpo administrativo que inclui o CEO. O valor, entretanto, é acima do praticado no mercado, o que gerou a desconfiança.

Para termos de comparação, o Itaú, maior banco da América Latina, pagou cerca de 444 milhões de reais aos seus executivos em 2021, metade do valor que está previsto para os executivos do Nubank. O valor também é quase quatro vezes superior aos 237 milhões de reais previstos pelo Nubank no ano passado para diretoria e conselho.

Dias após a notícia, as ações do banco bateram a mínima histórica na terça-feira, 3, desvalorizando quase 10%. Desde a estreia do IPO, em 8 de dezembro, as ações já acumulam perdas de mais de 35%, segundo dados da plataforma da TC/Economatica. Investidores também questionam a cifra milionária devido aos resultados do banco, que reportou prejuízo líquido de 165,3 milhões de dólares em 2021, mostrando que é um negócio altamente promissor e de sucesso, mas ainda em maturação. “Esse valor de bônus mostra alguma coisa bem fora do lugar ali no Nubank. As remunerações médias de diretores de bancos são bem menores do que isso. Então, em uma ação que está caindo tanto, falar em uma remuneração de 800 milhões de reais pega mal para um banco tão comprometido com narrativas e com uma proposta de marca diferenciada tão apoiada no marketing”, diz Felipe Miranda, CEO do grupo Empiricus.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)