Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Nissan compra 34% da Mitsubishi e se torna sua maior acionista

Para o presidente da Nissan Carlos Ghosn, aliança de capital ajudará a Mitsubishi Motors a recuperar a confiança do público

Por Da Redação 12 Maio 2016, 11h45

A montadora japonesa Nissan anunciou nesta quinta-feira que adquiriu 34% da Mitsubishi Motors. Com isso, ela se torna a maior acionista da empresa, que sofre com um escândalo de manipulação de dados de eficiência energética de seus miniveículos. O presidente da Nissan, o brasileiro Carlos Ghosn, explicou em entrevista coletiva que esta aliança de capital ajudará a Mitsubishi Motors a recuperar a confiança do público.

A Mitsubishi admitiu em abril ter falsificado os dados de consumo de combustível de 625 mil miniveículos vendidos no Japão. Durante as investigações para determinar o alcance da fraude, a montadora reconheceu que elas aconteceram também com outros modelos.

Durante a entrevista coletiva, o executivo-chefe da Mitsubishi, Osamu Masuko, disse que o plano representa um “marco fundamental” para que a empresa deixe este escândalo para trás.

Ghosn e Masuko consideraram que o caso das falsificações criou o momento propício para definir essa aliança, e garantiram que não houve nenhuma pressão das autoridades japonesas.

“A Mitsubishi é uma empresa digna de receber nossa confiança. Acredito que a Nissan pode exercer também um efeito positivo assim como a Mitsubishi Motors pode ter sobre nós, já que é uma empresa muito potente por exemplo no sudeste asiático e em modelos 4×4”, acrescentou Ghosn.

Continua após a publicidade

A Mitsubishi ainda não sabe o alcance das indenizações que deverá pagar por causa das falsificações, já que além dos milhares de motoristas, pode ter que devolver subsídios concedidos pelo governo japonês em virtude dos padrões ambientais que os modelos fraudados teriam.

Leia também:

Henrique Meirelles deve anunciar medidas econômicas nesta sexta

Luta contra a recessão é prioridade máxima do país, diz presidente do Bradesco

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês