Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ministro do Trabalho cobra explicações da Volks sobre demissões

Montadora confirmou dispensa de 800 funcionários e afirmou que medida era essencial para a sustentabilidade da empresa no Brasil

Por Da Redação 6 jan 2015, 17h44

O ministro do Trabalho, Manoel Dias, ligou na tarde desta terça-feira ao presidente da Volkswagen, Thomas Schmall, para pedir esclarecimentos sobre as 800 demissões anunciadas na Unidade de Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP). Funcionários da Volkswagen no ABC Paulista decidiram em assembleia iniciar uma paralisação contra as demissões.

O ministério informou que atuará como mediador entre patrão e empregado “para encontrar uma saída que evite a penalização do lado mais fraco, no caso, o trabalhador”. Segundo Dias, há disposição dos dois lados para continuar as conversas. Ele afirmou que continuará trabalhado na mediação e considera ser possível um “bom termo”.

A montadora confirmou as demissões e justificou a medida como essencial para “estabelecer condições para um futuro sólido e sustentável para a Unidade Anchieta, tendo como base o cenário de mercado e os desafios de competitividade”.

Leia também:

Venda de veículos recua 7,15% em 2014, diz Fenabrave

Continua após a publicidade

Volkswagen planeja demitir 800 pessoas no ABC paulista

Antes da confirmação pela empresa, o sindicato havia informado que funcionários receberam uma carta orientando-os a procurar o setor de Recursos Humanos. Nas cartas enviadas aos funcionários, diz o sindicato, a montadora citava a necessidade de cortar 2.000 vagas. Na nota divulgada nesta terça, a Volks se refere às demissões como uma “primeira etapa de adequação de efetivo”, dando a entender que mais desligamentos virão. A empresa, no entanto, não comenta essa possibilidade.

Segundo o sindicato, 13.000 pessoas trabalham na unidade, a mais antiga fábrica da Volkswagen no Brasil. A Volks informou que emprega 20.000 pessoas em suas quatro fábricas no país.

Na assembleia, os trabalhadores foram orientados a não procurar o RH, como pediu a empresa, e a participar da greve interna juntamente com os demais funcionários.

No início do ano passado, o Ministério do Trabalho se reuniu com representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos que cobraram do governo medidas para reverter as demissões feitas pela montadora General Motors em sua fábrica na cidade. Ao todo, 1.053 postos de trabalho foram cortados pela empresa em 2013 com o fim da produção do modelo Classic, último automóvel leve a ser produzido no complexo industrial.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês