Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mesmo com a conta de luz nas alturas, Dilma diz que não há crise elétrica

Presidente afirmou, em lançamento do pacote de energia, que Brasil não tem crise no setor e que conta de luz mais cara é 'necessária' para manter emprego

No ano em que o preço da energia sobe quase 30% devido à falta de capacidade de geração e transmissão de energia, a presidente Dilma Rousseff reafirmou que o Brasil não atravessa nenhuma “crise no setor elétrico”. Dilma rechaçou a crise no discurso em que anunciou um pacote de 186 bilhões de reais em investimentos no setor elétrico. “Não temos nenhuma crise no setor elétrico, de maneira alguma”, afirmou. Em ‘dilmês’ castiço, a presidente disse que o país passa por um “período momentâneo de dificuldades”.

A razão que justifica a ‘não crise’, diz Dilma, é o funcionamento das termelétricas, que a presidente disse terem sido construídas nos governos petistas. “Nós construímos termelétricas. Se não tivéssemos construído termoelétricas, teríamos tido um brutal racionamento. Não tivemos racionamento porque quando falta água, a gente liga as térmicas. Nesse sábado passado começamos a desligar as termelétricas. Isso vai produzir uma progressiva diminuição da bandeira vermelha, e, portanto, uma redução no preço da energia”, disse a jornalistas. Apesar de os investimentos em térmicas terem sido intensificados nos governos petistas, as termelétricas começaram a ser construídas em 2000, após o período de racionamento no governo Fernando Henrique Cardoso.

Muito diferente do discurso de 2012, em que a presidente afirmou que o preço da conta de luz ficaria mais barato para todos, Dilma tentou explicar por que ´”é preciso” pagar mais, hoje. “Agora, todo mundo sabe de uma coisa: entre faltar energia e ter energia é melhor pagar um pouco mais para ter energia, porque o preço da falta de energia é imenso em emprego, em renda, em dificuldade da empresa. Garantir que haja energia de qualidade, mais limpa, segura e mais barata para o país é fundamental pra todos nós.”

(da Redação)