Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mercado de trabalho tem pior resultado para junho desde 1992

Segundo dados do Ministério do Trabalho, o país perdeu 111.199 postos no mês; no ano, foram 345.417 vagas a menos

Por Da Redação - 17 jul 2015, 17h30

O mercado de trabalho do país voltou a registrar saldo negativo, quando o número de demissões supera o de admissões, em junho, com perda de 111.199 postos de trabalho. Esse é o pior resultado do mês verificado na série histórica iniciada em 1992. As informações são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, divulgadas nesta sexta-feira. Em maio de 2014, o cenário era inverso, com a criação de 25.363 empregos.

A baixa foi ainda mais acentuada do que a esperada pelo mercado, que projetava um fechamento de cerca de 98.000 postos de trabalho, segundo a agência Reuters. No semestre, o país teve 345.417 postos fechados; e no acumulado dos últimos 12 meses, já registra perda de 601.924 vagas de trabalho. O número é o resultado da diferença entre 20,1 milhões de contratações e 20,7 milhões de demissões contabilizadas no período.

Segundo o Ministério, a indústria foi a grande responsável pelo corte de vagas no período, com uma baixa de 64.228 postos. O desempenho do setor foi generalizado, com destaque para indústria metalúrgica (-9.027 postos), indústria mecânica (-8.841 postos) e indústria de material de transporte (-8.822 postos).

A segunda atividade a perder mais emprego foi serviços, com 39.130 vagas a menos. Depois, aparece o comércio (-25.585) e a construção civil (-24.131). A agricultura foi o único setor a contratar no mês, ganhando 44.650 vagas. De acordo com a pasta, o avanço do emprego na indústria se deve ao desempenho positivo de atividades ligadas ao cultivo de café (+20.930 postos) e de laranja (+4.371 postos).

Continua após a publicidade

Leia também:

Motor do emprego formal, PMEs fecham vagas de trabalho com a crise

Construção civil empurra alta do desemprego

(Da redação)

Publicidade