Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Membros da BBom são denunciados por pirâmide financeira

Fundador e outros quatro executivos do esquema responderão por lavagem de dinheiro e por crimes contra o sistema financeiro

O Ministério Público Federal em São Paulo (MPF – SP) denunciou cinco membros da BBom por associação criminosa para articulação de um esquema de pirâmide financeira e por negociação de contratos de investimento coletivo sem registro. João Francisco de Paulo, Paulo Ricardo Figueiró, Ednaldo Alves Bispo, Sérgio Luís Yamagi Tanaka e Fabiano Marculino Montarroyos responderão por lavagem de dinheiro e por crimes contra mercado de capitais, sistema financeiro e economia popular pela ocultação do patrimônio adquirido de maneira ilegal e pela movimentação em contas de terceiros de recursos ilicitamente obtidos dos associados ao chamado Sistema BBom.

A venda de rastreadores veiculares por meio do marketing multinível seria um pretexto para disfarçar a pirâmide financeira. O MPF estimou que um milhão de consumidores que investiram na BBom foram prejudicados. De acordo com o procurador da República e autor da denúncia, Andrey Borges de Mendonça, “não havia a venda efetiva de rastreadores, tratava-se de um engodo para ludibriar as vítimas”. “Os cinco denunciados trabalhavam com a emissão de contratos de investimento coletivo e assim criaram uma gigantesca pirâmide financeira”, afirmou Mendonça. “Os valores são incríveis: apurou-se um faturamento de 2 bilhões de reais, e cerca de um milhão de pessoas entraram na pirâmide.”

Leia também:

TelexFree vai começar a pagar – e a União é a primeira da fila

Juiz nega pedido de prisão de sócios da TelexFree no Brasil

PF, enfim, deflagra operação para desbaratar esquema de pirâmide da TelexFree

Dentre os denunciados pelo MPF está o fundador da BBom, João Francisco de Paulo. Paulo embolsava até 4 milhões de reais por mês com o esquema e somente no primeiro semestre do ano passado chegou a faturar 14 milhões de reais. Paulo Ricardo Figueiró, Ednaldo Alves Bispo, Sérgio Luís Yamagi Tanaka e Fabiano Marculino Montarroyos foram contratados por ele para auxiliar nos negócios da BBom. A empresa atraia consumidores por meio do pagamento de bonificações que variava de acordo com a quantidade de membros que cada associado fosse capaz de conseguir, configurando uma verdadeira pirâmide financeira.