Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mantega nega saída de diretor brasileiro do FMI

Paulo Nogueira Batista causou desconforto entre a direção do Fundo e o governo brasileiro após fazer comentários sobre a possibilidade de calote grego

Por Gabriel Castro, de Brasília 1 ago 2013, 17h32

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, negou a possibilidade de o representante do Brasil no Fundo Monetário Internacional (FMI), Paulo Nogueira Batista, ser destituído do cargo. Batista causou desconforto entre a direção do Fundo e o governo brasileiro após fazer comentários sobre a possibilidade de calote grego. As declarações foram feitas logo depois de Batista se abster na votação que determinaria a aprovação de um novo aporte financeiro à Grécia.

Na manhã desta quinta-feira, Mantega afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o governo não foi consultado sobre o novo aporte à Grécia – e que o país apoia a decisão do Fundo de liberar o dinheiro. Durante entrevista coletiva para anunciar mudanças na alíquota de importação para a indústria, o ministro disse que Batista continuará no cargo, mas foi chamado a Brasília para dar explicações. “Ele não tinha nos consultado a esse respeito. Hoje falei com a diretora Christine Lagarde e disse que a posição do Brasil é que se libere, sim, o recurso para a Grécia”, disse o ministro.

Ruído – Na quarta-feira, Batista criticou a decisão do Fundo de liberar 1,7 bilhão de dólares para o país e citou haver riscos de calote. Foi bastante incomum o uso de um comunicado público – que destacava a frustração das economias emergentes com a política de resgate a países europeus endividados adotada pelo FMI.

Depois da repercussão negativa do comunicado, Batista divulgou, ainda na quarta-feira, uma nota para esclarecer que suas avaliações sobre a decisão do Fundo em relação à Grécia representam uma visão pessoal e não refletem o posicionamento dos onze países por ele representados na diretoria executiva do FMI.

A dívida grega só será sustentável se os demais países da zona do euro cumprirem a promessa de oferecer um maior alívio creditício a Atenas. A oferta está atrelada à realização de dolorosos cortes orçamentários e reformas que contribuem para manter a economia do país em recessão.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês