Clique e assine a partir de 9,90/mês

Lula alerta sobre ideia de tabelar preço de commodities

Presidente afirma que pode haver pressão dos países ricos, no âmbito do G-20, para tabelar preços de produtos primários, especialmente de minério

Por Da Redação - 7 jul 2010, 11h18

Lula criticou os chineses por, ao vencerem licitações na África, não contratarem mão-de-obra local

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira que países em desenvolvimento devem se preocupar com uma possível pressão dos países ricos, no âmbito do G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo), para tabelar os preços das commodities, especialmente de minério. No encontro com empresários brasileiros e tanzanianos em um hotel da cidade de Dar es Salaam, Lula pregou união entre os países em desenvolvimento para evitar prejuízos nos fóruns internacionais. “Eles vão tentar criar confusão com os países pobres, que têm minério para exportar, porque querem controlar os preços”, disse Lula. “Agora, não querem que nós controlemos os preços dos produtos manufaturados que eles exportam. Porque se eles acreditassem realmente em livre mercado fariam acordo na rodada Doha”, afirmou.

No discurso, Lula aproveitou para citar a Vale, que participará de leilão de duas licitações para exploração de minas de carvão e fosfato, na Tanzânia. O presidente disse que os tanzanianos devem optar por uma empresa que contrate trabalhadores locais, numa crítica aos chineses que, segundo ele, levam trabalhadores da China para investimentos em outros países. “Nada contra os meus amigos chineses, mas os chineses não geram oportunidade de trabalho”, afirmou.

A título de exemplo, Lula citou o investimento de carvão no Gabão, no qual a Vale acabou preterida por uma mineradora da China, que não contratou trabalhadores locais. Na visita à Tanzânia, Lula assinou memorando de cooperação de estudos na área de etanol. A Petrobras e a estatal de petróleo da Tanzânia, TPDC, vão avaliar a inclusão de um porcentual de etanol na gasolina e no diesel. Lula embarca ainda hoje para Lusaca, capital da Zâmbia.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade