Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Lucro da Eletrobras cai 36%, para R$ 1 bilhão, no 3º trimestre

Empresa é uma das mais afetadas pela renovação das concessões de energia elétrica proposta pelo governo

Por Da Redação 15 nov 2012, 12h23

A estatal federal de energia Eletrobras divulgou nesta quarta-feira lucro líquido consolidado de 1 bilhão de reais no terceiro trimestre, valor 36% abaixo dos 1,56 bilhão de reais no mesmo período do ano passado. A geração de caixa medida pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) de julho a setembro foi de 1,52 bilhão de reais, acima do 1,08 bilhão de reais em igual período de 2011. Já a receita líquida no trimestre até setembro foi de 8,38 bilhões de reais, maior que os 7 bilhões de reais um ano antes.

Uma das empresas mais atingidas pelo processo de renovação antecipada e condicionada de concessões do setor elétrico, a Eletrobras manteve o valor de seus ativos de transmissão e geração de energia no balanço, mesmo diante da perspectiva de ter que lançar uma baixa contábil superior a 15 bilhões de reais

Havia dúvidas entre analistas se o grupo optaria por lançar já no terceiro trimestre uma redução do valor de seus ativos, diante da diferença entre o montante no balanço e o oferecido como indenização pelo governo por investimentos ainda não depreciados.

Leia também:

Eletrobras assina protocolo para assumir a CEA

Governo só capitalizará Eletrobras por meio de investimentos, diz Mantega

Continua após a publicidade

Em dois meses, 27 elétricas perdem R$ 31 bi na Bovespa

Mantega desafia empresas a apontar ilegalidade na MP 579

Em seu demonstrativo de resultado, a Eletrobras detalhou que tem um valor residual contábil de 18,5 bilhões de reais para ativos de transmissão de energia e de 14,3 bilhões de reais em geração, num total de cerca de 32,8 bilhões de reais. Esse montante se compara aos 14 bilhões de reais oferecidos pelo governo à companhia como indenização por investimentos não depreciados no processo de renovação das concessões.

Assim, se aceitar manter os ativos por mais 30 anos como quer o acionista controlador, a Eletrobras precisará baixar de seu balanço a diferença –de 18,8 bilhões de reais–, resultando em prejuízo dessa ordem quando isso ocorrer.

A estatal também divulgou, junto com seu balanço, a projeção de perdas com a renovação antecipada das concessões de energia elétrica: 9,6 bilhões de reais em receita anual. A queda na receita é superior à prevista pelo presidente da Eletrobras, José Carvalho da Costa Neto, que disse em meados de outubro que seria de até 8 bilhões de reais por ano.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade