Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Louis Vuitton perde para o câncer um de seus principais executivos

Yves Carcelle, administrador que ajudou a transformar a marca em uma das maiores grifes de luxo do mundo morreu de câncer neste domingo

Por Da Redação 1 set 2014, 15h28

Yves Carcelle, o homem que ajudou a transformar a Louis Vuitton em uma das maiores grifes de luxo do mundo, morreu de câncer aos 66 anos, neste domingo, informou a LVMH, conglomerado que inclui a marca. Carcelle comandou a Louis Vuitton durante mais de duas décadas até 2012. Sua morte acontece no momento em que a LVMH trabalha duro para ressuscitar a marca, depois de ver as vendas despencarem nos últimos dois anos.

“Viajante incansável, Yves foi um pioneiro. Sempre curioso, apaixonado e em movimento, ele foi um dos mais inspiradores líderes de homens e mulheres que tive o privilégio de conhecer”, disse o executivo-chefe e fundador da LVMH, Bernard Arnault, em comunicado.

A Louis Vuitton é a principal fonte de renda da LVMH, maior grupo empresarial de artigos de luxo do mundo, com mais de 60 marcas, como as grifes de mosa Christian Dior, Celine e Fendi, a joalheria Bulgari e a fabricante de conhaque Hennessy.

Leia mais:

Até os chineses, quem diria, estão comprando menos bolsas Louis Vuitton

Continua após a publicidade

Russos protestam contra bolsa gigante da Louis Vuitton na Praça Vermelha

Marc Jacobs anuncia saída da Louis Vuitton após 16 anos

Perfil – Carcelle, administrador carismático que inspirava suas equipes a trabalharem tanto quanto ele, até nos finais de semana, era visto como um executor habilidoso das ambições globais de Arnault para a Louis Vuitton.

“Ele levou a indústria do atacado para o varejo e teve um papel crucial no desenvolvimento da indústria global de artigos de luxo”, afirmou Julian Easthope, analista do segmento da consultoria Barclays.

Durante sua gestão, Carcelle quadruplicou a rede de lojas da Louis Vuitton – chegaram a quase 470, muitas delas em mercados emergentes estrategicamente importantes, como a China. Ele também aumentou o lucro da marca de estimados 500 milhões de euros em 1990 para mais de 7 bilhões de euros, e supervisionou sua diversificação em produtos como relógios e joalheria e moda prêt-à-porter sob o comando do estilista Marc Jacobs.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)