Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Justiça libanesa proíbe Carlos Ghosn de deixar o país

O procurador-geral do país deu autorização que o executivo fique no Líbano mesmo após notificação da Interpol; Ghosn fugiu do Japão em dezembro

Por Larissa Quintino Atualizado em 9 jan 2020, 10h08 - Publicado em 9 jan 2020, 09h44

A Procuradoria-Geral do Líbano proibiu nesta quinta-feira, 8, que Carlos Ghosn, ex-chefe da aliança Nissan-Renault,  saia do país. A exigência foi dada depois que o empresário foi interrogado pela primeira vez desde que chegou ao país, após fugir do Japão. Autoridades do Líbano receberam o alerta vermelho da Interpol contra o fugitivo da Justiça japonesa. Ghosn, que responde a quatro processos de fraude financeira no Japão, também estava proibido de deixar o país oriental, mas escapou em uma fuga cinematográfica.

Segundo a agência de notícia libanesa ANN, o empresário brasileiro– que também é cidadão libanês e francês — o procurador-geral, Ghasan Oueidat, permitiu que Ghosn resida no país, mas o “impede de viajar” ao exterior devido ao alerta da Interpol, que solicita a prisão preventiva do ex-presidente da Nissan à espera de extradição, entrega ou outra ação judicial similar.

Ghosn, que na quarta-feira passada apareceu em público pela primeira vez desde a fuga, afirmou que estava “preparado para ficar muito tempo” no Líbano, destino escolhido por ele após a fuga no Japão.

Durante entrevista coletiva, Ghosn fez duras críticas ao sistema judiciário japonês, alegando que violaram direitos fundamentais. Segundo o empresário, o índice de condenação no país é de 99% e, no caso de estrangeiros, é ainda maior. “Me senti um prisioneiro dentro de um país pelo qual trabalhei 17 anos”, afirmou. Ghosn foi preso por duas vezes no Japão e responde a quatro acusações de fraudes e desvios de dinheiro da Nissan. Desde abril do ano passado, ele estava em uma espécie de prisão domiciliar, após pagar fiança. Ele podia sair de casa, mas não podia deixar o país, falar com a sua mulher, Carole Ghosn, além de precisar de precisar avisar autoridades se fosse se locomover.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)