Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Jumento tipo exportação’ renderia US$ 3 bilhões ao Brasil

Interesse da China pelo animal foi revelada pela ministra da Agricultura, Kátia Abreu, nesta quarta-feira

Por Da Redação
19 nov 2015, 18h33

Se a intenção manifestada pela China de importar 1 milhão de jumentos por ano do Brasil, conforme disse um empresário chinês à ministra da Agricultura Kátia Abreu nesta quarta-feira, se concretizar, o negócio renderia ao Brasil uma receita de 3 bilhões de dólares. A soma considera o preço médio dos asnos exportados neste ano.

Kátia Abreu ouviu a proposta inusitada durante viagem ao país asiático. Na China, os animais são usados pela indústria alimentícia e na fabricação de cosméticos. O Brasil já faz essa exportação, mas em escala reduzida. Em 2015, foram vendidos 1.200 toneladas, o equivalente a 15.400 dólares.

A história foi relatada pela própria ministra no Twitter. “No seminário dos empresários, chamou a atenção um investidor com um interesse que nos pareceu piada, mas não era. Ele quer importar jumentos para a China”, relatou. “Inacreditável, mas sua demanda é de 1 milhão de jumentos ano. Morro e não vejo tudo”, escreveu a ministra.

Leia mais:

Jumento, o novo item de exportação do Brasil para a China

Jumento ou jegue? – Nesta quinta-feira, ela voltou a falar no assunto e disse que errou ao mencionar jumentos. O interesse do empresário era por jegues. A correção era desnecessária: jegue é apenas outro nome para asno e jumento. Mula e burro é que são diferentes, já que nascem a partir do cruzamento entre um jumento e uma égua. Se o filhote for uma fêmea, é chamada de mula; se for macho, é chamado de burro. “Propuseram-me a fazer, inclusive, uma cooperação para melhoramento genético de jegues”, relatou a ministra.

A China abate cerca de 1,5 milhão de jegues por ano, uma parte produzida no próprio país e outra na Índia. Apesar de toda essa demanda dos chineses, 2015 foi um ano fraco para a exportação do animal em comparação com outros anos. Enquanto neste ano as vendas ficaram em 15.400 dólares, em 2008 elas chegaram a somar 309.300 dólares, o equivalente a 22.400 toneladas. O recorde financeiro foi registrado em 2010, quando o Brasil fez 385.700 dólares em vendas e desembarcou 14.900 toneladas de asnos no exterior.

Continua após a publicidade

As mensagens da ministra na rede social geraram comentários bem-humorados e foram até usadas em trocas de ofensas entre militantes de esquerda e de direita. Alguns internautas, defensores de animais, se queixaram da demanda chinesa e classificaram a venda como “crueldade”.

Outra demanda diferente das demais foi a de uma empresa de fármacos, que quer 10.000 toneladas de casca de tangerina por ano para produzir óleos e essências. A ministra deixou a China e está a caminho do Brasil. Enquanto esteve no país asiático, a ministra fechou acordo para que sete plantas frigoríficas tenham autorização para vender para os chineses. Dessas, três são de carne bovina, duas de suína, e duas de frango.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.