Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

João Roma: “Petrobras se coloca insensível à realidade brasileira”

Para ministro, um Brasil "autossuficiente" em petróleo não deve se submeter a preço internacional; "há um clamor social por uma solução sobre o petróleo"

Por Felipe Mendes Atualizado em 25 mar 2022, 11h54 - Publicado em 25 mar 2022, 10h30

Parece que a Petrobras não tem incomodado apenas ao presidente Jair Bolsonaro. Ex-chefe do escritório da Agencia Nacional de Petróleo (ANP) em Salvador, na Bahia, o ministro da Cidadania, João Roma, não poupou críticas à postura da empresa em um momento de afloramento da guerra entre a Ucrânia e a Rússia. Para ele, um país autossuficiente na produção de petróleo, como é o caso do Brasil, não pode ser refém da política de preços praticada pela companhia. Ao mesmo tempo, Roma chama a atual estrutura do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de “esdrúxula” e lamenta que alguns estados tenham se beneficiado do avanço nos preços da commodity para aumentar suas receitas.

“Numa situação como essa, em um momento como o que estamos vivendo, é plausível que alguns estados tenham aumentado tanto a sua arrecadação de forma sorrateira?”, questiona Roma. “Beneficiaram-se do aumento de um item que abrange a sociedade de forma ampla. Essa estrutura do ICMS é esdrúxula. Não dá para ficar de braços cruzados e não se sensibilizar com isso.”

Ainda que ressalte não ser o “porta-voz” para o tema (no caso, seria o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque), Roma não deixa de dar a sua opinião e diz que o governo federal está “cedendo tudo” em busca de uma solução para o preço da commodity, que afeta diretamente o valor da gasolina, do diesel e do gás de cozinha. “O governo federal está cedendo tudo. O ideal é que nós tivéssemos conseguido avançar na reforma tributária, que é a principal das reformas do nosso Brasil”, diz. “A gente está vivendo um momento em que se pede um gatilho. Hoje, há uma curva muito nervosa. Se, por um lado nós precisamos ter responsabilidade na segurança jurídica, por outro, há um clamor da sociedade por uma solução. Não dá simplesmente para ficar de braços cruzados e dizer que a Petrobras, por ter acionistas minoritários, precisa ser preservada.”

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)