Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Japão deve tomar medidas para impedir que iene forte afete economia

Tóquio estuda conceder empréstimos a juros baixos para pequenas e médias empresas e apoiar companhias que produzem itens de alto valor agregado

Por Da Redação 20 ago 2011, 17h43

Governo também avalia a venda de ienes, intervindo no mercado quando a moeda subir

O governo japonês estuda um conjunto abrangente de medidas para evitar que a valorização do iene prejudique a economia e a criação de empregos, informou o jornal The Nikkei na edição deste domingo.

As medidas em estudo incluem a expansão de empréstimos a juros baixos para pequenas e médias empresas e apoio a companhias que produzem itens de alto valor agregado no país. Depois que o próximo gabinete tomar posse, após a saída do primeiro-ministro Naoto Kan, o governo vai desenvolver planos concretos e incluirá as despesas numa peça orçamentária suplementar (a terceira do ano). Outras medidas prováveis do pacote são ações para ajudar as empresas japonesas a realizar investimentos externos, aproveitando o câmbio valorizado.

Mercado cambial – Nesse meio tempo, o governo estuda a venda de ienes, intervindo no mercado quando a moeda subir, disse o Nikkei. A divisa japonesa subiu para uma nova máxima na sexta-feira, com 75,95 ienes valendo um dólar durante o pregão em Nova York. O governo e o Banco do Japão (BOJ) disseram estar preparados para intervir no mercado no início da próxima semana, se a moeda ganhar mais força.

Afrouxamento – Segundo o Nikkei, o BOJ estaria planejando medidas adicionais de afrouxamento monetário para estimular a economia, já que o iene forte por um período prolongado pode comprometer o sentimento corporativo, levando a uma deterioração no emprego e nas despesas de capital.

O BOJ vai discutir o impacto do iene forte na economia japonesa, assim como os prós e os contras de uma flexibilização adicional, na reunião do conselho de política monetária de 6 e 7 de setembro. A reunião pode ser antecipada se a moeda subir muito mais.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade