Clique e assine a partir de 9,90/mês

IPC-S acelera a 0,19% na 1ª quadrissemana de julho

Por Da Redação - 9 jul 2012, 08h43

Por Maria Regina Silva

São Paulo – A inflação apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) acelerou na primeira quadrissemana de julho na comparação com a leitura anterior, informou nesta segunda-feira a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O IPC-S ficou em 0,19%, depois de ter registrado alta de 0,11% no fechamento do indicador em junho.

Dos oito conjuntos de preços que integram o IPC-S, o principal destaque de alta veio do grupo Educação, Leitura e Recreação, que saiu de uma queda de 0,10% na quadrissemana anterior, para o aumento de 0,23% na primeira medição de julho. De acordo com a FGV, essa classe de despesa foi influenciada pelo item excursão e tour, cujos preços abandonaram a deflação de 1,36% e subiram 0,72%.

Os preços dos alimentos voltaram a subir na primeira quadrissemana de julho no âmbito do IPC-S, e avançaram 0,84% (de 0,74% anteriormente). Os grupos Habitação (de 0,06% para 0,13%) e Comunicação (de 0,00% para 0,03%) também deixaram a inflação medida pelo indicador da FGV mais alta.

Continua após a publicidade

Já o conjunto de preços de Transportes, embora ainda tenha apresentado queda (-0,54%) na primeira leitura de julho, diminuiu a intensidade em relação à medição passada, quando cedeu 0,73%, diante dos sinais de que o efeito da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) já estaria perdendo força. O item automóvel novo, que faz parte do grupo, saiu de uma variação negativa de 3,96% no fechamento do dado em junho, para um recuo menor, de 3,20% na primeira quadrissemana de julho.

Por outro lado, o grupo Despesas Diversas perdeu força, puxado pela queda nos preços dos cigarros (de 0,51% para -0,88%). Essa classe de despesa mostrou uma inflação de 0,01% nesta leitura deste mês, contra elevação de 0,48% na medição anterior. O mesmo aconteceu com Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,38% para 0,36%). Já os preços de Vestuário tiveram queda de preços (-0,06%) na comparação com o aumento de 0,06% no fechamento de junho.

Publicidade