Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Investidores devem tirar US$ 448 bi de emergentes em 2016, diz relatório

China, Brasil, Turquia e África do Sul são os países que mais devem registrar fuga de capitais, segundo o Instituto de Finanças Internacionais

Os títulos e ações de mercados emergentes estão a caminho de outro ano de fuga de capitais provocada pela desaceleração do crescimento global e endividamento corporativo, de acordo com o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês).

Os mercados emergente registraram saída líquida de capital de 735 bilhões de dólares em 2015, volume maior que o esperado, e de 111 bilhões em 2014. A expectativa é de que tenha em 2016 saídas de 448 bilhões de dólares, segundo o relatório do IIF divulgado nesta quarta-feira.

A instituição afirmou que fortes saídas da China, que refletem preocupações com a moeda e crescimento, são o principal fator por trás das perdas em 2015. A China teve fuga de 676 bilhões de dólares em 2015, de acordo com o IIF.

“Mas a fraqueza vai bem além da China, já que temos visto uma fuga persistente de capital de portfólios de uma ampla faixa de mercados emergentes. Os investidores estão cada vez mais preocupados com as perspectivas de crescimento e alto endividamento corporativo”, disse o diretor-gerente e economista-chefe do IIF, Charles Collyns.

A organização afirmou que Brasil, Turquia e África do Sul são alguns dos países mais vulneráveis à contínua redução nos mercados emergentes devido à fraqueza na política macroeconômica, altos níveis de dívidas corporativas em moeda estrangeira e significativos déficits de conta corrente.

Há alguns países bem posicionados, como Índia e México. Mas, com os temores sobre a China e recessão pelo segundo ano seguido no Brasil e na Rússia, muitos temem que os retornos de investimentos não se recuperem em breve.

Leia mais:

Reação dos mercados a petróleo e China é exagerada, diz economista-chefe do FMI

Brasil vai encolher 3,5% em 2016 e não vai crescer em 2017, diz FMI

(Com Reuters)