Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Indicadores dos EUA ajudam bolsas da Europa a subir

Por Renan Carreira

Londres – As bolsas europeias fecharam em alta nesta quinta-feira, após oscilarem durante toda a sessão, afetadas pelo anúncio da agência de classificação de risco Fitch de colocar em perspectiva negativa o rating do Reino Unido e com os investidores fazendo uma pausa após o recente rali dos mercados. No entanto, as perdas foram limitadas por causa da divulgação de indicadores econômicos positivos nos Estados Unidos. O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 0,26%, fechando em 270,98 pontos.

A Fitch colocou na quarta-feira o rating AAA do Reino Unido em perspectiva negativa devido à limitação do espaço fiscal para absorver choques econômicos negativos e de perspectivas de recuperação econômica mais fracas do que as originalmente projetadas.

Do lado positivo, o número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 14 mil, para 351 mil, após ajustes sazonais, na semana até 10 de março, segundo informou nesta quinta-feira o Departamento de Trabalho local. Os economistas ouvidos pela Dow Jones esperavam queda de 5 mil solicitações.

Além disso, a atividade manufatureira de Nova York melhorou neste mês, de acordo com o índice Empire State divulgado pelo Federal Reserve do distrito, que subiu para 20,21, de 19,53 em fevereiro, contrariando a previsão de queda para 17,9 dos economistas consultados pela Dow Jones. Esse foi o quarto avanço mensal consecutivo do indicador.

Também colaborou para o sentimento na Europa a notícia de que a diretoria executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou hoje um empréstimo de 28 bilhões de euros (US$ 36,49 bilhões) para a Grécia. A decisão permite um desembolso imediato da primeira tranche do financiamento, no valor de 1,65 bilhão de euros.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX subiu 0,92%, fechando em 7.144,45 pontos. K+S encerrou a sessão com alta de 7,2% e a HeidelbergCement avançou 5,1% após ambas as companhias reportarem bons resultados em 2011 e fortes perspectivas para 2012. ThyssenKrupp registrou alta de 4,2%. Por outro lado, Lufthansa caiu 0,9% após comentários negativos em relação a sua unidade austríaca AUA.

Em Londres, o índice FTSE registrou leve queda de 0,08%, a 5.940,72 pontos. Apesar do recuo, o sentimento do mercado permanece positivo, e os bancos e as mineradores se beneficiaram disso. Lloyds Banking Group subiu 2,8%, enquanto Kazakhmys avançou 1,9%.

O índice CAC 40, da Bolsa de Paris, subiu 0,44%, para 3.580,21 pontos. STMicroelectronics liderou a alta, com 5,6%. Alstom avançou 2,2% após comentários do CEO da companhia. LVMH teve alta de 1,1% depois de notícias de que a Qatar Holding comprou uma participação na empresa. Pernod Ricard recuou 2,1% após GBL anunciar a venda de sua participação.

Em Madri, o índice Ibex 35 avançou 0,42%, para 8.426,70 pontos. Em Portugal, o índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, caiu 0,44%, para 5.592,83 pontos. Na Itália, o FTSE MIB teve alta de 0,85%, para 16.993,31 pontos. As informações são da Dow Jones.