Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Inadimplência sobe 0,13% no 1° trimestre e atinge 62,7 milhões de pessoas

Resultado mostra desaceleração no crescimento do total de pessoas endividadas; variação trimestral havia sido de 2,38% no mesmo período de 2018

Por Por Redação 15 abr 2019, 11h42

O número de inadimplentes no Brasil teve alta de 0,13% no primeiro trimestre de 2019, totalizando 62,7 milhões de pessoas, mais de 40% da população adulta do país, segundo dados divulgados nesta segunda-feia, 15, pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

O resultado mostra uma desaceleração no crescimento do número de brasileiros endividados, e que, portanto, tem maior dificuldade em conseguir crédito. No mesmo período do ano passado, a variação trimestral havia sido de 2,38%.

Apesar disso, para o presidente da CNDL, José Cesar da Costa, o resultado poderia ser melhor. Para ele, o ritmo de recuperação da economia está aquém do esperado e, consequentemente, afeta a melhora dos índices de inadimplência. “O desemprego persiste em um nível elevado e o consumo não esboça um crescimento vigoroso. Apesar da desaceleração da inadimplência neste início de ano, o estoque de pessoas com o CPF restrito ainda é muito alto. O que mais favorecerá um ciclo de queda da inadimplência será uma recuperação mais acentuada do mercado de trabalho e da renda dos trabalhadores”, analisa o presidente.

O número de inadimplentes jovens, com idade entre 18 e 24 anos teve queda de 22,8%, em março, comparado ao mês anterior. Também houve recuo nas faixas etárias de 25 a 29 anos (8,31%) e de 30 a 39 anos (-0,42%). Já entre a população de idade mais elevada, houve alta nos atrasos de pagamento. Idosos entre 65 e 84 anos apresentaram um crescimento de 8,46%. A elevação também foi observada nas faixas etárias de 50 a 64 anos (4,76%) e de 40 a 49 anos (3,29%).

Continua após a publicidade

Em termos percentuais, é a faixa dos 30 aos 39 anos que reúne o maior número de consumidores com contas em atraso no país, com 17,7 milhões de brasileiros. “É justamente nessa fase da vida em que a corrida ao crédito acaba sendo inevitável, pois muitos já constituíram família, possuem filhos e assumem mais compromissos financeiros. Em um momento de crise, pode ser difícil equilibrar o orçamento se não houver controle e disciplina”, explica o presidente do SPC Brasil, Pellizzaro Junior.

No recorte regional, o maior número de devedores proporcionalmente à população está na região Norte, como mostra a tabela abaixo:

 

Volume de dívidas

O volume de dívidas no nome de pessoas físicas apresentou queda de 1,07% em março deste ano na comparação com o ano passado, puxado pela diminuição nos setores de contas de telefone, internet e TV por assinatura (-9,56) e o de comércio (-5,91%).  O único ramo que mostrou alta em março foi o setor de água e luz, cujo crescimento foi de 17,20%.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)