Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ibovespa atinge máxima desde julho de 2011

SÃO PAULO, 10 Jan (Reuters) – A Bovespa seguiu o movimento otimista das bolsas externas e seu principal índice fechou o dia na máxima desde o final de julho de 2011, com destaque para as ações de siderurgia e petróleo.

O Ibovespa subiu 1,22 por cento, a 59.805 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 6,15 bilhões de reais.

Durante a sessão, o índice chegou a superar os 60 mil pontos, mas perdeu força pela tarde. Ainda assim, sustentou o maior nível desde o fechamento de 25 de julho, de 59.970 pontos.

Em Wall Street, o índice Dow Jones registrava alta de 0,54 por cento às 18h33 (horário de Brasília), enquanto o Standard & Poor’s subia 0,83 por cento.

“O dia foi muito positivo, desde (o fechamento) das bolsas da Ásia e o dado da China, com um superávit importante”, afirmou o diretor da Ativa, Álvaro Bandeira.

A China teve um superávit comercial de 16,5 bilhões de dólares em dezembro, levando o superávit do ano para 155 bilhões de dólares em 2011.

“Como o mercado não tem muito comprador final, na parte da tarde a bolsa encolheu os ganhos, acompanhando bem de perto os mercados dos EUA”, completou. Em 2012, o Ibovespa acumula alta de 5,38 por cento.

Entre os destaques positivos, CSN cresceu 3,92 por cento, a 16,45 reais, e Gerdau subiu 3,75 por cento, a 16,34 reais. A preferencial da Usiminas valorizou 3,31 por cento, a 10,94 reais, após resultados acima do esperado da norte-americana Alcoa.

Em mineração, MMX subiu 1,03 por cento, a 6,87, enquanto a preferencial da Vale teve leve alta de 0,03 por cento, a 39,51 reais.

No setor de petróleo, a preferencial da Petrobras teve valorização de 1,19 por cento, a 22,90 reais. OGX ganhou 1,75 por cento, a 13,98 reais.

Fora do índice, o papel da MPX Energia registrou queda de 1,41 por cento, a 49,00 reais, seguindo o movimento de baixa do setor de energia nesta terça-feira, com investidores migrando de papéis defensivos para os de maior risco.

Fontes informaram à Reuters nesta terça-feira que o empresário Eike Batista, dono da MPX, acertou a entrada da gigante alemã do setor elétrico E.ON em sua empresa de energia, em um acordo que envolve investimento de 9 bilhões de reais pelo grupo europeu e igual valor pela MPX em projetos.

(Por Roberta Vilas Boas; Edição de Aluísio Alves)