Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Hipótese de reformulação da zona do euro ganha força na imprensa internacional

Representantes de países da União Europeia tornaram públicos planos da Alemanha e da França de diminuir o bloco

Por Da Redação 9 nov 2011, 22h38

Com a crescente instabilidade política e econômica na Itália e na Grécia, ganhou força na imprensa europeia a hipótese de esfacelamento da zona do euro. Integrantes graduados de países da União Europeia começaram a vazar planos de Alemanha e França para diminuir a quantidade de países na união monetária — e, talvez, padronizar taxas e impostos. E analistas de periódicos internacionais passaram a demonstrar explicitamente a preocupação com o futuro da moeda única.

Os primeiros rumores partiram de fontes ouvidas pela agência Reuters, que garantiram que as conversas entre as duas maiores economias da eurozona têm acontecido há meses, e em todos os níveis de governo. “Precisamos estabelecer a lista exata de quem não quer mais fazer parte do clube e de quem simplesmente não pode mais fazer parte”, disse um representante de um dos países à Reuters. A agência lembrou ainda que a ideia de uma Europa indivisível vem perdendo força:

“Até certo ponto, o tabu a respeito da saída de um país do bloco dos 17 foi quebrado na cúpula do G20, em Cannes, na semana passada, quando a chanceler alemã, Angela Merkel, e (o presidente francês, Nicolas) Sarkozy, disseram efetivamente que a Grécia poderia ter de deixar o grupo caso a estabilidade de longo prazo da eurozona tivesse de ser preservada.”

Pouco depois, o britânico The Guardian reforçou a informação: “Representantes seniores em Paris, em Berlim e em Bruxelas teriam discutido a possibilidade de um ou mais países deixarem a zona do euro, enquanto o restante seguiria na direção de aprofundar a integração econômica, incluindo taxas e de política fiscal.” Mais tarde, o site do jornal especializado Financial Times estampou em sua manchete o risco de uma era estar chegando ao fim: “Conversas sobre fim da eurozona agita mercados”.

A revista britânica The Economist, por sua vez, classificou a união monetária como uma “espiral da morte”. A publicação afirmou que os mercados estão abandonando a periferia, incluindo a Itália. Isso leva os bancos a retirarem crédito do mercado europeu, o que prejudica a economia da região, que já está sendo esmagada pelos programas de austeridade. A conclusão é categórica:

“Uma economia mais fraca prejudica as receitas e mina os esforços para consolidação fiscal, afastando investidores e pressionando por mais austeridade. O ciclo continuará até que alguma coisa se quebre.”

Embora o plano citado inicialmente pela Reuters esteja ainda sendo tratado às portas fechadas, Merkel e Sarkozy deram declarações que pareceram confirmar as suspeitas. Preocupada com a situação econômica italiana, que se agravou nesta quarta-feira, Merkel convocou os membros da zona do euro a acelerar os planos para uma integração política mais profunda. “É tempo de avançar para uma nova Europa. O mundo está mudando e precisamos estar preparados para responder aos desafios”, disse. E Sarkozy foi além: mencionou, em discurso, que existem duas Europas, caminhando em velocidades diferentes. Será possível, nessa situação, as nações da zona do euro permanecerem de mãos dadas?

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês