Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Haddad volta a defender queda de juros às vésperas de decisão do Copom

Banco Central se reúne na semana que vem para decidir, enfim, o início do processo de queda de juros, atualmente em 13,75%

Por Pedro Gil Atualizado em 28 jul 2023, 18h14 - Publicado em 28 jul 2023, 17h33

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, voltou a defender nesta sexta-feira, 28, a queda da taxa Selic, em 13,75% ao ano. A fala acontece às vésperas da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne na semana que vem para definir o patamar de juros. A expectativa do mercado, conforme sinalizado em ata da última reunião, é que o Banco Central inicie o processo de descompressão monetária, cortando a taxa em 0,25 ou 0,50 ponto percentual. Haddad vê espaço para um “corte generoso”, isto é, de meio ponto.

Segundo o ministro, a economia está sofrendo um processo de desaceleração pelo fato de a taxa de juros real estar em 10% e os “ventos” estariam “favoráveis” para que se inicie um processo agressivo de queda da Selic. “O mundo está olhando para o Brasil com outros olhos, mas está mais do que na hora de alinharmos a política fiscal e monetária para que possamos voltar a sonhar com dias melhores”, disse. “A inflação está muito controlada. Isso nos dá um espaço extraordinário de crescer mais e gerar mais oportunidades”, completou.

Em coletiva de imprensa, Haddad afirmou que o caminho para cortes na Selic está “pavimentado”. “Primeiro, [a dúvida era] se o juro vai cair. Depois, quando. E, agora, quanto”, disse o ministro. Para ele, há “muito espaço para um corte de 0,5 ponto percentual”.

O início do ciclo de distensionamento da política monetária é aguardado com ansiedade pela turma da Faria Lima — espera-se que seja um gatilho para a valorização das ações negociadas na B3, a bolsa de valores do Brasil. Segundo o boletim Focus, relatório que mede os ânimos do mercado, os agentes financeiros calculam que a Selic chegará a 12% no fim deste ano e a 9,5% ao término de 2024. Ainda assim, é um pouco mais do que seria considerado ideal para evitar distorções na atividade econômica.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.