Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Há ao menos uma pessoa sem trabalho em quase metade das famílias

Em 17% das residências, duas ou mais pessoas estão desempregadas, segundo pesquisa

Por Redação - 6 nov 2018, 15h56

Quase a metade das famílias possui ao menos uma pessoa sem trabalho em casa, apontou levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), feito em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Os dados do Indicador de Confiança do Consumidor de outubro apontam que em 45% das residências, ao menos uma pessoa desempregada e, em 17% delas, duas ou mais pessoas estão na mesma situação.

O indicador também aponta que o medo de ficar desempregado afeta 29% dos trabalhadores. Embora tenha caído em relação aos meses anteriores – estava em 33% em setembro –, a taxa se manteve em patamar elevado.

Segundo a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o emprego é um dos fatores que mais impactam a confiança do consumidor. “É a perspectiva de estar empregado e de que sua renda vai crescer ou se manter no mesmo nível que estimula o consumidor a comprar com segurança, inclusive nas aquisições de alto valor, que geralmente são feitas a crédito”, diz a economista. “Enquanto o mercado de trabalho não mostrar sinais mais vigorosos de recuperação, a confiança do consumidor seguirá retraída.”

O componente mais crítico na avaliação dos entrevistados é a percepção sobre o atual cenário econômico. 80% avaliam de forma negativa as condições da economia, enquanto que 17% veem o desempenho como regular e apenas 2% o enxergam com otimismo. O desemprego elevado, a inflação, as taxas de juros e o câmbio são os pontos mais lembrados como fatores que contribuem para o clima econômico ruim.

Publicidade

De forma geral, o indicador registrou 42,3 pontos de 100 possíveis. Neste tipo de indicador, a linha de corte de 50 pontos divide o campo pessimista do otimista. Assim, a pesquisa indicou que o brasileiro está pessimista.

Publicidade