Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Greve de pilotos da Lufthansa seguirá até sábado

Paralisação fez companhia cancelar 790 voos de curta e média distância previstos para esta sexta-feira, afetando 94 mil passageiros

Os pilotos da companhia aérea alemã Lufthansa estenderão sua greve até o próximo sábado em um protesto que começou na quarta-feira e ganhou força nesta sexta-feira com a adesão dos controladores na Itália. A Lufthansa cancelou 790 voos de curta e média distância previstos para esta sexta-feira, 700 deles pela greve de seus pilotos e 90 pelas consequências da paralisação dos controladores na Itália. Com isso, nesta sexta, serão afetados cerca de 94.000 passageiros.

A greve de pilotos no sábado afetará os voos de longa distância e o transporte de carga. As filiais da Lufthansa Swiss, AUA e Germanwings, por sua vez, operarão normalmente.

Na quarta, a companhia se viu obrigada a suspender 750 voos de curta e média distância, e aproximadamente 80 mil passageiros foram prejudicados. Na quinta, a companhia cancelou 84 dos 153 voos de longa distância, afetando 18 mil clientes.

Leia mais:

Pilotos da Lufthansa estendem greve até sexta-feira

Viagens aéreas foram mais seguras em 2014, apesar de desastres da Malaysia Airlines

Pilotos da Lufthansa entram em greve na Alemanha e 80 mil passageiros ficam sem voar

Trata-se da 12ª convocação de greve organizada pelo sindicato Vereinigung Cockpit (VC) em um ano, diante da falta de acordo sobre a reforma do atual sistema de aposentadorias antecipadas, do qual se beneficiam 5,4 mil pilotos da aérea. A Lufthansa queria originalmente aumentar a idade mínima de pré-aposentadoria, hoje em 55 anos, e, embora tenha abandonado seu plano inicial, mantém seu objetivo de aumentar a idade média de aposentadoria, de 58 para 61 anos.

Ao anunciar a extensão das interrupções para sexta-feira, o sindicato assegurou que seu objetivo não era bloquear as decisões estratégicas da empresa, mas defender seus direitos no convênio coletivo. Em comunicado, o sindicato de pilotos acusou a direção da Lufthansa de querer “mudar radicalmente a cultura corporativa existente” e afastar-se do diálogo.

A Lufthansa respondeu dizendo que os pilotos estão danificando uma reputação que precisou de anos para ser construída. Procurada pelo site de VEJA, a assessoria da Lufthansa no Brasil não confirmou se há voos para o país afetados pela paralisação.

(Com agência EFE)