Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo retoma estudos para concessões de aeroportos

Informação foi anunciada pelo ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, que não diz falar sobre prazos e quantidades

O governo está retomando os estudos para uma nova rodada de concessão de aeroportos no país, afirmou o ministro da Secretaria da Aviação Civil, Moreira Franco. Segundo ele, o assunto esteve de lado este ano, por uma necessidade de reavaliar o papel da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) à frente da administração de aeroportos no território brasileiro. “Com relação aos aeroportos maiores, nós paramos para repensar a governança e gestão da Infraero, porque o governo federal precisa de uma empresa que opere aeroportos, pois vamos ter muitos que não serão rentáveis, mas ainda fundamentais para a população, como na Amazônia”, justificou Moreira Franco.

Segundo o ministro, o Banco do Brasil foi contratado para fazer um estudo sobre a governança da Infraero. “Contratou-se o Banco do Brasil para fazer o estudo econômico financeiro e o desenho de gestão e governança para a alternativa que vai se criar. Na próxima semana, ele já vai nos apresentar o resultado desse estudo. E com isso nós vamos poder reabrir o processo de concessão”, especificou.

Leia também:

Nove aeroportos regionais de São Paulo serão ampliados

BNDES aprova crédito de R$1,1 bi para concessionária do aeroporto Galeão

Paquistão tem o pior aeroporto do mundo. Confira o ranking

O ministro não quis precisar quantos nem onde estariam os próximos aeroportos a serem passados à administração privada. Citou apenas que poderiam estar nas regiões Norte, Nordeste e Sul. “Precisamos colocar nossos aeroportos no século 21, e estamos fazendo isso. Os aeroportos, não só os concessionados, estão caminhando para isso”, afirmou.

Até agora, seis aeroportos já foram entregues à iniciativa privada: Galeão (RJ), Confins (MG), Guarulhos (SP), Viracopos (SP), Natal (RN) e Brasília (DF). No entanto, a Infraero é sócia nos consórcios vencedores em cinco deles, a única exceção é Natal.

(com Estadão Conteúdo)