Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo quer que banco privado financie vendas da Embraer

Para atrair o capital privado, União pretende facilitar as garantias de financiamento às instituições financeiras

O governo vai facilitar as garantias concedidas pela União no financiamento das exportações da Embraer. A intenção é atrair bancos privados para esse tipo de operação. Atualmente, a oferta de crédito para essas operações de longo prazo é feita pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O secretário-adjunto da Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Rodrigo Cota, informou que a ideia é dar mais competitividade à fabricante nacional ao equiparar as condições de financiamento com as modalidades usadas por seus competidores.

Leia também:

Embraer conclui voo inaugural do Legacy 650, feito na China

Controladora da American Airlines financiará jatos Embraer via BNDES

O secretário informou que o governo permitirá que o Fundo de Garantia às Exportações (FGE) ofereça garantia com cláusula incondicional. Esse tipo de apólice garante que, em caso de sinistro da operação, a União indenize o banco que concedeu o crédito. O FGE é o fundo do governo que assegura as operações de crédito à exportação, concedida aos importadores, com prazo acima de dois anos. Sem o certificado, os bancos não querem entrar nesse mercado por conta dos riscos.

O certificado que o FGE oferece é com cláusula condicional, segundo Cota. Se houver alguma falha ou erro operacional, o banco corre o risco de não ser indenizado. O secretário explicou que esse tipo de modelo de certificado de garantia já é usado pelas agências de crédito à exportação de Estados Unidos, Europa e Canadá, o que beneficia Boeing, Airbus e Bombardier. �Um sinistro numa operação do setor aeronáutico, que é muito grande, tem o poder de deixar abalado o capital do banco�, ressaltou.

Leia ainda:

Embraer prevê a entrega de até 530 jatos no Brasil em 10 anos

O Ministério da Fazenda tem pronta uma minuta de certificado que está sob análise da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). Caso o parecer seja favorável, o certificado poderá ser oferecido em breve, permitindo que bancos privados financiem as exportações.

(com Estadão Conteúdo)