Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo do Irá detém várias pessoas acusadas de colaborar com a ‘BBC’

Teerã, 6 fev (EFE).- A Polícia iraniana deteve um grupo indeterminado de pessoas por sua suposta colaboração com o serviço de informação em persa da televisão estatal britânica ‘BBC’, informou nesta segunda-feira a agência local iraniana ‘Mehr’.

Segundo a fonte, os detidos ‘trabalhavam em segredo para o serviço em língua persa da ‘BBC’ e recolhiam notícias e informações no Irã para essa emissora.

A agência, que não detalha nem suas fontes, o número de detidos nem quando foram capturados, só afirmou que estes recebiam ‘grandes somas de dinheiro’ do canal britânico.

Em novembro do ano passado, outro suposto colaborador da ‘BBC’, Hassan Fahi, foi detido no Irã e acusado de divulgar informação falsa sobre a República Islâmica e tentar manipular a opinião pública do país.

Em setembro, os serviços secretos iranianos prenderam pelo menos seis cidadãos do país, em sua maioria relacionados com o cinema, que supostamente colaboravam com a ‘BBC’, embora posteriormente a maioria tenha sido libertada.

A ‘BBC’ não tem escritório no Irã desde que seu correspondente foi expulso do país em junho de 2009, durante a violenta repressão dos protestos contra a reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad.

Após as detenções de setembro passado, o ministro de Inteligência do Irã, Heidar Moslehi, acusou a ‘BBC’ de realizar ‘atividades destrutivas’ contra o Irã e declarou que ‘não é um meio de comunicação’, mas uma cobertura para ‘missões políticas e de inteligência’.

Moslehi advertiu a qualquer um que colabore com a ‘BBC’, à qual qualificou de ‘anti-iraniana e contra-revolucionária’, que seu departamento ‘segue de perto essas conexões e tomará as medidas adequadas’.

Desde os violentos distúrbios de 2009, centenas de jornalistas, artistas, advogados, estudantes e defensores dos direitos humanos foram detidos e condenados a diferentes penas, até mesmo à morte, acusados de participar de uma conspiração urdida pelo Ocidente para derrubar o sistema teocrático. EFE