Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Governo começa 2015 com ‘pedaladas’ fiscais e restos a pagar recorde

Segundo levantamento do Contas Abertas, 2 bilhões de reais em ordens bancárias que deveriam ter sido desembolsadas em 2014, sairão dos cofres apenas em janeiro, ajudando a reduzir a pressão sobre o superávit primário

Por Da Redação 4 jan 2015, 12h04

Apesar do discurso de resgate da credibilidade da equipe econômica, o Ministério da Fazenda terminou o ano de 2014 usando um artifício recorrente de contabilidade criativa para retirar a pressão sobre o superávit primário do ano passado. Segundo levantamento do Contas Abertas, em dezembro, foram emitidas ordens bancárias de investimento que somaram 5 bilhões de reais. Contudo, parte deste montante foi empurrada para 2015 – o que, no jargão dos economistas, ficou conhecido como “pedalada”. Segundo dados do Siafi, 2 bilhões de reais foram empurrados para 2015, já que as ordens bancárias só foram emitidas no dia 31 de dezembro, quando os bancos já haviam fechado. Desta forma, só entrarão no balanço do Tesouro em janeiro.

Ainda segundo o Contas Abertas, outra ‘pedalada’ veio da conta de investimentos em obras e compra de equipamentos. Uma parte da verba investida foi lançada no Siafi em dias desfavoráveis para o saque ainda no mesmo ano. No dia 29 de dezembro, foram emitidos 349,1 milhões de reais em ordens bancárias. No dia 30, mais 692,4 milhões de reais. No cálculo do superávit primário, somente os valores efetivamente sacados são considerados. Contudo, devido aos recessos de fim de ano, os valores acabaram permanecendo nos cofres, o que ajuda a inflar o resultado do primário. “Esse crescimento mostra que o governo está, de fato, postergando despesas”, afirmou o economista e secretário geral do Contas Abertas, Gil Castello Branco.

Leia também:

Barbosa volta atrás e diz que regra de salário mínimo não mudará

2015 mal começou e brasileiro já paga mais caro em conta de luz

Levy diz ser preciso ‘coragem’ para arrumar economia

Restos a pagar – Houve também as despesas que ficaram “na boca do caixa”. O governo federal inicia ano com recorde de restos a pagar: 243,9 bilhões de reais, segundo estimativas do Contas Abertas. Trata-se de despesas iniciadas em um ano que são efetivamente pagas nos anos seguintes. Foi um crescimento de 25,2 bilhões de reais em relação ao que foi transferido de 2013 para 2014.

De fato, nos bastidores do Planalto circularam informações sobre um jogo de empurra nos gastos – aparentemente, vencido pelo novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Isso porque, nos últimos dias de 2014, o governo trocou a orientação de fechar as contas com um saldo positivo de 10,1 bilhões de reais para, em vez disso, fazer uma “limpa” nas contas e pagar o maior volume possível de gastos. Isso foi feito, mas, mesmo assim, houve despesas que ficaram para 2015.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)