Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Governo vê deficiência de R$ 58 bi no Orçamento

A expectativa inicial era de que o corte no Orçamento fosse anunciado hoje, mas o governo tomará essa decisão na próxima terça-feira

Por Da redação Atualizado em 22 mar 2017, 20h17 - Publicado em 22 mar 2017, 18h18

Os ministérios da Fazenda e do Planejamento anunciaram nesta quarta-feira a existência de um rombo de 58,168 bilhões de reais no Orçamento. Esse é o montante que falta para o cumprimento da meta de déficit fiscal, de até 139 bilhões de reais.

O valor efetivo do corte no Orçamento, entretanto, será divulgado na terça-feira. A expectativa era que o governo anunciasse hoje o valor do corte no Orçamento.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o governo espera decisões judiciais que podem chegar a 18 bilhões de reais em favor da União para definir o tamanho do corte.

Segundo ele, medidas sobre aumento de tributos – que também podem reduzir o tamanho do corte – serão igualmente anunciadas na próxima semana.

Continua após a publicidade

Segundo Meirelles, o corte final será bem menor que a deficiência financeira apontada hoje. “O contingenciamento final será substancialmente menor que  58,2 bilhões de reais”, prometeu.

O ministro afirmou que o governo estuda medidas compensatórias para cobrir a deficiência. “Vamos aguardar mais alguns dias para termos segurança maior para decidirmos sobre o contingenciamento e sobre aumento de tributos, se necessário, para compensar essa diferença”, completou.

Segundo Meirelles, questões importantes para a definição do tamanho real do corte ainda estão em andamento, como a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a privatização de uma usina hidrelétrica, adicionando um valor estimado em 3,5 bilhões de reais para a União. A privatização de outras duas usinas, cuja decisão ainda está nas mãos do Superior Tribunal de Justiça (STJ), podem gerar uma receita adicional de 6,5 bilhões de reais.

“Existem estimativas que mostram que as receitas só com essas três chegam perto de 10 bilhões de reais. E também no STJ, há decisões sobre precatórios que podem acarretar valores adicionais de 6 bilhões de reais a 8 bilhões de reais “, acrescentou Meirelles. “Então essas questões judiciais somadas podem representar 14 bilhões de reais, 16 bilhões de reais ou 18 bilhões de reais. Mas como ainda não há decisão, não pudemos incluir no relatório”, resumiu.

(Com Agência Brasil)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)