Clique e assine a partir de 9,90/mês

Governo adiará para 2014 leilão de quatro rodovias, diz ministro

Depois de fracasso na BR-262, governo estuda modelo de PPPs

Por Da Redação - 1 out 2013, 18h06

O ministro dos Transportes, Cesar Borges, afirmou nesta terça-feira que o governo vai adiar para 2014 o leilão de quatro lotes de rodovias que fazem parte do Programa de Investimentos em Logística (PIL). São eles: BR-101 (BA), BR-116 (MG), BR 153 (GO/TO) e BR 262 (ES-MG). Os estudos desses lotes sofrerão ajustes e poderão ser alterados.

De acordo com Borges, o governo estuda uma modelagem com subvenção para as tarifas de pedágio ou ainda Parceria Público-Privada (PPP). O governo também não descarta fazer os trechos via obra pública. Segundo o ministro, a preocupação do governo com esses quatro trechos é com a modicidade tarifária. “Queremos que o processo seja atrativo para o setor privado e para o usuário. Faremos tudo para que o leilão dê certo, que o processo tenha êxito”, afirmou o ministro. “Tentaremos fazer concessão. Se for necessário, faremos PPP. Se não for possível nenhuma coisa nem outra, vamos fazer obra pública.”

Segundo ele, quatro trechos serão leiloados neste ano: BR-163 (MT), BR-163 (MS), BR-040 (MG-DF-GO) e BR-060/153/262 (MG-DF-GO). Esses trechos serão concedidos para a iniciativa privada.

Leia também:

Mantega diz que 4 rodovias irão a leilão, ‘sem demora’

Dilma anuncia licitação da BR-163 para novembro

Continua após a publicidade

Lançado em agosto de 2012, o programa tinha nove lotes de estradas. Dois trechos foram a leilão em setembro, mas um (BR-262 MG/ES) não teve interessados. O outro (BR-050 MG/GO) corre risco de ser judicializado, pois o segundo colocado, a Triunfo, já questionou administrativamente o vencedor, o consórcio Planalto.

Sobre a BR-050, Borges admitiu que há risco de que o consórcio que ficou em segundo lugar entre na Justiça questionando o processo. “Não queremos que a BR-050 seja judicializada, mas é possível que aconteça”, afirmou. O ministro negou que o governo tenha cometido falha ao auditar o consórcio vencedor.

Leia mais:

Após fracasso, Dilma vai reavaliar concessões de rodovias

BNDES não assumirá sozinho riscos de concessão, diz Coutinho

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade