Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Gol reduz prejuízo mas ainda opera (muito) no vermelho

Empresa teve resultado negativo de 197 milhões de reais no terceiro trimestre, ante perdas de 309,4 milhões de reais no mesmo período de 2012

Por Da Redação 12 nov 2013, 22h08

A Gol, segunda maior empresa aérea brasileira em participação de mercado, conseguiu reduzir seu prejuízo no terceiro trimestre deste ano em 36,3% em relação a igual período do ano passado. Contudo, o resultado continua (muito) no vermelho. A companhia acumulou perdas de 197 milhões de reais no terceiro trimestre, ante prejuízo de 309,4 milhões de reais entre julho e setembro de 2012.

A empresa tenta reverter uma série de resultados negativos por meio do aumento de preços de passagens e redução de custos depois que a empresa cortou voos e funcionários.

No terceiro trimestre, o yield (indicador de preços de passagens aéreas) cresceu 28,4% na comparação anual, e assim o crescimento da receita, indicador conhecido no setor como “Prask”, subiu 21,1% na mesma base de comparação. “Para os próximos meses, enxergamos menor crescimento de Prask e yield dado a forte base de comparação de igual período no ano passado”, disse a Gol em seu relatório de resultados.

A receita líquida trimestral registrou crescimento de 12,2% na comparação anual, para 2,23 bilhões de reais, diante de um cenário de redução de oferta no mercado doméstico de 7%.

Leia também:

Receita por assento em voos da Gol cresce 24% em agosto

Continua após a publicidade

Voos promocionais da Gol não darão direito a milhas

Tribunal manda Gol reintegrar 850 empregados da Webjet

O resultado financeiro da companhia foi de 186,8 milhões de reais negativos, alta de 140,3% ante 2012, afetado pela valorização do dólar. Neste trimestre, as despesas com a oscilação do câmbio totalizaram uma despesa de 40,9 milhões de reais frente a uma receita de 43,8 milhões de reais no mesmo trimestre de 2012, disse a Gol.

Houve, porém, melhora do resultado operacional (Ebit), que atingiu 37 milhões de reais no terceiro trimestre, ante prejuízo de 200,7 milhões de reais um ano antes.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e leasing de aeronaves) cresceu 287,3% na mesma base de comparação, a 372,5 milhões de reais.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)