Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

França espera acordo comercial ‘ambicioso’ entre UE e Mercosul

Afirmação foi feita pelo ministro da Economia francês, Emmanuel Macron; mudanças de governo na Argentina e no Brasil reacenderam expectativas

Por Da Redação 3 jun 2016, 17h24

Após uma troca de propostas recente, o ministro da Economia francês, Emmanuel Macron, disse esperar que as negociações comerciais entre a União Europeia (UE) e o Mercosul resultem em um “acordo ambicioso”. As conversas acontecem em um contexto de mudanças políticas no bloco sul-americano devido à chegada de governos de orientação liberal na Argentina – um fator considerado chave pelo ministro argentino das Finanças – e mais, recentemente, no Brasil.

“Espero que (a negociação) resulte em um acordo ambicioso que responda aos nossos interesses mútuos, que possa reforçar e consolidar esta cooperação”, disse Macron na inauguração em Paris de um Fórum Econômico sobre América Latina e Caribe.

A UE e o Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela) trocaram em maio suas posturas sobre tarifas, um primeiro passo no novo ciclo de negociações para um acordo comercial. Foi a primeira troca de propostas desde 2004 e, segundo o ministro argentino das Finanças, Alfonso Prat-Gay, haverá outra em setembro.

Para Prat-Gay, a chegada ao poder do presidente Mauricio Macri foi chave na reativação das negociações. “Acredito que foi a mudança de governo na Argentina o que mobilizou uma discussão que estava estancada. O Brasil nos acompanhou, o presidente (François) Hollande nos acompanhou”, afirmou. “Acreditamos que estamos a caminho de um acordo comercial e acreditamos que este acordo pode ser depois uma ponte com a Aliança do Pacífico”, acrescentou.

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank Steinmeier, disse na quinta-feira em Buenos Aires que seu país tem “grande interesse” e dará seu apoio para que as negociações cheguem a um bom resultado.

Continua após a publicidade

As negociações, no entanto, enfrentam fortes pressões de interesses em ambos os blocos.

Leia mais:

Parente: ‘Privatização da Petrobras não está madura para ser discutida’

Governo autoriza reajuste de até 13,57% para planos de saúde

(Com Agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade