Ford suspende produção de carros e caminhões em São Bernardo do Campo

Com a medida, a montadora estima que aproximadamente 800 empregados fiquem em regime de banco de horas até o dia 1º de julho

Por Da Redação - 22 jun 2015, 20h49

A Ford paralisou nesta segunda-feira a produção de sua unidade de caminhões, até o dia 30, e na próxima sexta-feira vai suspender também a de automóveis em São Bernardo do Campo. “Com o objetivo de ajustar o ritmo de produção à demanda do mercado, a Ford suspenderá temporariamente a produção nas fábricas de carros e caminhões de São Bernardo do Campo”, afirmou a companhia.

Em nota, a Ford informou que são aproximadamente 800 empregados em regime de banco de horas. Sob este regime, o tempo parado é descontado das horas acumuladas do funcionário, quando a produção for retomada. A medida foi implementada devido aos estoques acima do desejado e demanda fraca. A previsão é que os funcionários voltem ao trabalho em 1º de julho.

Leia mais:

Por que o preço dos carros sobe mesmo com a demanda em queda?

Publicidade

Montadora recorre a ‘milagre’ para conseguir vender

Montadoras afastam 16 mil nesta segunda – número pode subir para 40 mil

Produção – A fábrica – que produz 12 modelos de caminhões leves e médios – faz parte de um complexo da Ford, incluindo uma fábrica de automóveis, e que reúne cerca de 4.400 operários, sendo 3 mil na área de produção e montagem de carros e caminhões. Recentemente, eram produzidos até 14 caminhões por hora, ante média de 17 há dois anos. A produção de automóveis, que já chegou a 55 unidades ao dia, hoje está em cerca de 44.

Em São Bernardo do Campo há também fábricas das montadoras Volkswagen, Mercedes, Scania e Toyota. O sindicato informou que, com exceção da Toyota, nas demais já houve demissões, concessão de férias coletivas e adoção do regime de layoff (suspensão dos contratos de trabalho).

Publicidade

Na semana passada, a General Motors pôs em férias coletivas 6,2 mil empregados – das plantas de São José dos Campos (SP) e de Gravataí (RS) -, devido à baixa demanda e estoques elevados, segundo sindicatos de trabalhadores.

(Com agência Reuters)

Publicidade