Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Previdência: fora da reforma, militar pesa 16 vezes mais no rombo

O chamado déficit per capita anual dos militares ficou em 99,4 mil reais no ano passado, ante 6,25 mil reais no INSS.

O rombo na Previdência atingiu a marca recorde de 268,8 bilhões de reais em 2017 – ano marcado por sucessivos adiamentos na votação da reforma proposta pelo governo para endurecer as regras de aposentadoria e pensão no país. O déficit é 18,5% maior que o de 2016 e inclui os regimes do INSS e dos servidores da União. Os dados foram revelados nesta segunda-feira 22 pelo governo e mostram que a Previdência dos servidores segue tendo um peso maior nas contas proporcionalmente. A participação de um militar federal nesse rombo, por exemplo, é dezesseis vezes maior que a de um segurado do INSS.

O chamado déficit per capita anual dos militares ficou em 99.400 reais no ano passado, ante 6.250 reais no INSS. Entre os servidores civis da União, a necessidade de financiamento do rombo também é mais elevada, de 66.200 reais. Embora tenham um peso maior, os militares ficaram de fora da reforma que está em discussão. Os dados foram calculados com base no déficit de 2017 e no número de beneficiários de 2016, que são os mais recentes sobre a quantidade de benefícios em todos os regimes.

Em termos absolutos, o déficit na Previdência aumentou 41,9 bilhões reais no ano passado. Para o secretário de Previdência, Marcelo Caetano, o resultado lança mais um alerta sobre a necessidade de aprovar a reforma. Segundo ele, sem o enfrentamento do problema, o Brasil poderá viver uma situação semelhante ao que aconteceu com Grécia e Portugal, onde a solução acabou sendo a redução dos benefícios.

O governo ainda não tem os votos necessários para aprovar a proposta, mas Caetano demonstrou confiança na capacidade de negociação. “O governo trabalha com a aprovação da reforma em meados de fevereiro”, disse diversas vezes durante a entrevista coletiva. O secretário defendeu que a reforma é essencial para o equilíbrio das contas públicas. “Observem os números. Os déficits crescem na ordem de dezenas de bilhões por ano. Temos que enfrentar.”

O avanço do déficit não é o único dado alarmante na avaliação do consultor legislativo do Senado Pedro Nery. O ritmo de crescimento da despesa previdenciária é o que mais preocupa, segundo ele. O aumento foi de 6,7% no ano passado, já descontada a inflação do período. “Mesmo em um ano em que praticamente não houve reajuste no benefício, ela continuou aumentando porque o crescimento vegetativo (maior número de beneficiários) é muito forte.”

Caetano alertou para o fato de que o processo de envelhecimento populacional tende a se acelerar na próxima década, um indicativo de que a janela para o Brasil fazer mudanças nas regras previdenciárias sem cortar benefícios pode estar se fechando.

O forte crescimento do déficit previdenciário urbano reforça essa mensagem. O aumento do rombo foi de 54,7% no ano passado, para 71,7 bilhões de reais. Até 2015, essa conta era positiva, mas a avaliação do secretário é que há uma tendência estrutural de resultados negativos a partir de agora. “O envelhecimento populacional acontece em ritmo muito acelerado.”

O governo espera uma economia de cerca de 588 bilhões de reais nas despesas com aposentadorias e pensões em dez anos com a aprovação da reforma da Previdência, a maior parte do impacto concentrada no longo prazo.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    😮 Pois_É–ora,pois–POÏ$É,Né,NãO 😮

    Curtir

  2. Querem encontrar um Cristo, pra crucificar. E ja escolheram os militares. Só cai nem conversa quem é bobo, ou se finge.

    Curtir

  3. Li essa matéria no Estadão e acho que houve má fé, mais que ignorância.

    Curtir

  4. Os militares e seus pensionistas descontam para seu sistema previdenciário, até a morte e independe de quanto é a remuneração – não acontece com civis. Os percentuais podem chegar alem de 12,5% ao mês e indenizam parte dos procedimentos medicos em hospitais das proprias Forças. Por outro lado, põem na conta previdenciária, as Pensões Especiais de civis Ex-Combatentes e seus dependentes, bem como suas despesas medicas gratuitas e prestadas pelas Forças – essa despesa deveria ser generica da União. Alem disso colocam tambem valores mensais de indenizações de anistiados militares.

    Curtir

  5. JUSCELINO BATISTA BRITO

    Uma ova! Se todos são iguais perante a lei, por que só o cidadão comum deve pagar o pato? Mas, infelizmente, o próprio presidente da República já é um homem sob suspeição da justiça. Falta a esse país um homem com bagos roxos para implementar reformas sérias e fazer o país se desenvolver de fato. Não concordo que uma classe social tem que ser beneficiada em detrimento de outra. Tem que mexer sério, doa a quem doer! Deixem de engodos!!!

    Curtir

  6. Marcos Rafael Schossler

    Como não virá aumentar o déficit? Com toda a insegurança que o assegurado tem, diante dos ‘desgovernos’ sobre a pauta, é massiva a busca pelo benefício. Então, a lógica é essa mesma déficit e isso é tudo o que o governo, e defensores da reforma mais querem. Mas… e nossos amados e idolatrados políticos enquanto contribuirão?????

    Curtir

  7. Dalton Bittencourt Ferreira

    Até que enfim a imprensa se manifesta sobre esta absurdo, que ninguém levantou. Parece um tabu, mas nossa elite caga de medo de expor o rombo que já dura décadas.

    Curtir

  8. Cristian STS

    Notícia tendenciosa e incompleta.
    Estão tentando fazer com que os militares sejam os grandes responsáveis…
    A Revista Veja não tem comprometimento com a verdade…
    Lamentável Veja…

    Curtir