Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

FMI sinaliza que pode rejeitar acordo grego se não houver alívio na dívida

Relatório do Fundo aponta que países europeus teriam de dar período de carência de 30 anos sobre o serviço da dívida grega

Um estudo sigiloso do Fundo Monetário Internacional (FMI) mostrou que a Grécia precisa de um alívio muito maior da dívida do que os governos europeus parecem dispostos a oferecer. O alerta do FMI vazou no momento em que o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, tenta convencer parlamentares esquerdistas insatisfeitos a votarem a favor do pacote de austeridade e reformas econômicas liberais para garantir novo resgate.

Segundo o estudo Análise de Sustentabilidade da Dívida, os países europeus teriam de dar à Grécia um período de carência de 30 anos sobre o serviço de todas as suas dívidas, incluindo novos empréstimos, e uma dramática prorrogação dos vencimentos – ou então terão de fazer transferências anuais ao orçamento grego e aceitar “fortes cortes antecipados” em empréstimos existentes.

LEIA TAMBÉM:

Grécia não paga 456 mi de euros e dá outro calote no FMI

Assumindo que Atenas cumpra sua parte do acordo esta semana, aprovando uma série de medidas dolorosas, o Parlamento alemão deve se reunir em sessão especial na sexta-feira para debater se autoriza o governo a abrir novas negociações. O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, deixou claro nesta terça-feira que alguns membros do governo acham que faria mais sentido Atenas deixar a zona do euro temporariamente.

“A deterioração dramática da sustentabilidade da dívida indica a necessidade de alívio de dívida em uma escala que precisaria ir muito além do que tem estado sob consideração até agora, e o que foi proposto pelo ESM”, informou o FMI, em referência ao Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira. Uma fonte da UE disse que ministros das Finanças e líderes da zona do euro estavam cientes dos números confidenciais do FMI quando concordaram na segunda-feira com o mapa do caminho para o terceiro resgate.

LEIA TAMBÉM:

Efeito Grécia faz Bovespa se recuperar e voltar aos 53 mil pontos

Mesmo com acordo, bancos gregos continuarão fechados

Conheça os detalhes do novo acordo de resgate da Grécia

Parlamento grego – Parlamentares do partido governista grego Syriza e seus aliados discutem a portas fechadas se apoiam ou não as reformas, enquanto o próprio premiê Tsipras, que assinou o acordo, critica a dureza dos ajustes. Os parlamentares devem votar na quarta-feira cortes de 9 bilhões de euros, que integram as exigências dos credores. “É um acordo difícil e ruim”, disse Tsipras em entrevista à emissora de televisão estatal ERT. “Eu acredito que esse plano não está correto. Nós chegamos a um ponto onde não podíamos ir mais adiante.”

Após mais de cinco meses de negociações com os credores – os países da zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) -, a Grécia concordou em avançar com as reformas econômicas, incluindo cortar pensões e elevar impostos. Graças ao forte apoio da oposição, o Parlamento grego deve aprovar o acordo, na noite desta quarta-feira em Atenas.

A questão é se o premiê, de 40 anos, poderá manter o apoio de seu próprio partido, o esquerdista Syriza, e ficar no cargo tempo suficiente para ver o acerto finalizado. Trata-se do mais duro teste político para Tsipras em seu país, após ele e o Syriza terem vencido a eleição em janeiro com uma plataforma contrária às medidas de austeridade.

(Com Reuters)