Clique e assine a partir de 9,90/mês

FGTS tem arrecadação recorde no 1º semestre

O Fundo registrou arrecadação líquida de 5,86 bilhões de reais, com crescimento de 158,4% em relação ao mesmo período de 2009

Por Da Redação - 22 Jul 2010, 17h43

Os números recordes de empregos formais fizeram com que a quantidade de trabalhadores com contas no FGTS atingisse patamar recorde de 32,470 milhões

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) registrou arrecadação líquida de R$ 5,862 bilhões no primeiro semestre deste ano, o que representa um recorde para o período. O valor arrecadado significa um crescimento de 158,4% na comparação com o mesmo período de 2009.

Segundo dados divulgados hoje pelo vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal, Wellington Moreira Franco, o resultado apurado nos seis primeiros meses deste ano reflete o aumento de 9,88% da arrecadação bruta em relação ao mesmo período do ano passado e a diminuição de 3,69% dos saques no mesmo período. No acumulado de janeiro a junho deste ano, a arrecadação bruta totalizou R$ 29,779 bilhões e os saques, R$ 23,918 bilhões.

Para o vice-presidente da Caixa, os números positivos do FGTS estão diretamente ligados à queda da taxa de desemprego no país. Os números recordes de empregos formais fizeram com que a quantidade de trabalhadores com contas no FGTS atingisse patamar recorde de 32,470 milhões. Com isso, também houve um recorde de empresas fazendo depósitos para o fundo. Em junho, esse número chegou a 2,777 milhões.

Continua após a publicidade

Moreira Franco destacou ainda que não há risco de acabar os recursos do FGTS para financiamento da habitação popular. Isso porque já estão sendo estudados novos mecanismos de financiamento para a casa própria. Somente no primeiro semestre deste ano, foram liberados R$ 1,7 bilhão em subsídios para financiamento imobiliário para a população de menor renda. A previsão é de que seja liberado R$ 4 bilhões neste ano.

O vice-presidente da Caixa informou ainda que o orçamento do FGTS saltou de R$ 3,8 bilhões em 2003 para R$ 64 bilhões neste ano. “Esse crescimento ocorreu por conta da economia”, afirmou Moreira Franco, destacando que a maior parte dos recursos é destinada para aquisição da casa própria. A taxa de retorno dos investimentos feitos pelo FGTS foi de 6,8% no primeiro semestre. A expectativa é de que feche o ano entre 14% e 15%.

(com Agência Estado)

Publicidade