Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fed sinaliza continuidade no aumento de juros nos EUA

O banco central americano indicou que vai seguir em território contracionista para ancorar a inflação, que está em 8%, na meta de 2%

Por Luana Meneghetti Atualizado em 25 Maio 2022, 17h13 - Publicado em 25 Maio 2022, 15h50

O mercado aguardava ansioso na tarde desta quarta-feira, 25, a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, para entender os próximos passos da autoridade na condução da política monetária do país. O Fed indicou que deve manter as elevações de 0,50 ponto porcentual nos juros nas próximas reuniões e prevê redução dos estímulos financeiros a partir de junho.

Os Estados Unidos convivem com uma inflação no patamar de 8%, um fenômeno não experimentado pelos americanos há pelo menos quatro décadas. O Fed vem agindo por meio da elevação de juros para controlar a disseminação dos preços. No início de mês, o banco fez a segunda elevação na taxa básica de juros para 0,50 ponto porcentual, o maior aumento nos últimos 22 anos, numa tentativa radical de conter a inflação histórica no país. No comunicado da ata, o Fed demonstra disposição em continuar a elevação dos juros até ancorar as expectativas inflacionárias para a meta de 2%.

Segundo a autoridade, as pesquisas das expectativas de inflação dos EUA continuaram a projetar uma desaceleração significativa da inflação nos próximos anos. No entanto, a compensação da inflação futura aumentou ao longo do período, e os participantes do mercado permaneceram atentos ao risco de que, ao trazer a inflação de volta para 2%, o Comitê precisaria apertar mais do que o esperado atualmente. “Acredito que a autoridade está deixando bem clara a intenção de elevar para 0,50% a taxa de juros nas próximas reuniões, podendo encerrar o ano com uma taxa de 3,5%”, avalia Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

A autoridade atribui riscos inflacionários à guerra no Leste Europeu e também à política de “Covid zero” da China, que vem impondo bloqueios em diversas cidades chinesas para conter a propagação do vírus, gerando novos desequilíbrios nas cadeias de suprimentos globais. “O Comitê espera que a inflação volte ao seu objetivo de 2% e o mercado de trabalho continue forte. Em apoio a essas metas, o Comitê decidiu aumentar a faixa-alvo para a taxa dos fundos federais para 0,75% a 1% e prevê que os aumentos contínuos na faixa-alvo serão apropriados. Além disso, o Comitê decidiu começar a reduzir suas participações em títulos do Tesouro e dívida de agências e títulos lastreados em hipotecas de agências em 1º de junho”, comunica a autoridade no documento.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)