Clique e assine a partir de 9,90/mês

Banco central americano eleva taxa de juros para 2,5%

Movimento era esperado pelo mercado brasileiro e dólar comercial fechou abaixo de 3,90 reais

Por Redação - Atualizado em 19 dez 2018, 19h34 - Publicado em 19 dez 2018, 18h09

O Banco Central dos Estados Unidos (Federal ReserveFed) elevou nesta quarta-feira, 19, as taxas de juros, que agora estão entre 2,25% e 2,5%. No entanto, previu menos altas no próximo ano, sinalizando que seu ciclo de aperto está se aproximando do fim diante da volatilidade nos mercados financeiros e da desaceleração econômica global.

O resultado era o esperado pelo mercado brasileiro, mas saiu após o fechamento do câmbio no país. O dólar terminou em queda e abaixo de 3,90 reais.

O Fed disse que a economia dos EUA vem crescendo a um ritmo forte e que o mercado de trabalho continua melhorando. O Banco Central americano pontuou que “algum” aumento adicional gradual das taxas seria necessário, uma mudança sutil que sugere que está se preparando para interromper as altas de juros.

O anúncio do Banco Central dos Estados Unidos estava previsto para o mesmo horário do fechamento do câmbio no Brasil. O dólar terminou em queda e abaixo de 3,90 reais. A moeda recuou 0,73%, a 3,8727 reais na venda, depois de oscilar entre a mínima de 3,8648 reais e a máxima de 3,9053 reais. O dólar futuro cedia cerca de 1%.

O mercado trabalhou durante toda a sessão sob a expectativa de que o banco central americano elevaria a taxa de juros no último encontro de política monetária do ano, mas poderia reduzir o número de altas que prevê para o próximo ano. “Muitos acreditam que o Fed poderá sinalizar uma pausa nos aumentos, diante de indícios de desaceleração da economia global e temores de que os Estados Unidos voltem a enfrentar uma recessão”, destacou a corretora Correparti em relatório mais cedo ao justificar o movimento que sustentou o mercado durante todo o pregão.

Continua após a publicidade

No exterior, o dólar recuava ante a cesta de moedas e ante divisas de países emergentes como o peso chileno, movimento também ajudado pelo avanço do preço do petróleo no mercado internacional.

O euro se fortalecia ajudado pelo acordo entre a Itália e a Comissão Europeia sobre o orçamento do país para 2019. Segundo o vice-presidente da comissão, Valdis Dombrovskis, não é o acordo ideal, mas suspende as medidas disciplinares da União Europeia contra Roma.

O BC vendeu nesta sessão 13,83 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou 8,99 bilhões de dólares do total de 10,373 bilhões de dólares que vence em janeiro.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o fim da semana, terá feito a rolagem integral.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade