Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Favelas cariocas livres do tráfico vivem explosão imobiliária e comercial

'Uma casa que antes custava R$ 50 mil agora custa mais de R$ 250 mil', diz arquiteto

Por Da Redação 4 abr 2012, 06h02

As favelas próximas às regiões nobres do Rio de Janeiro vivem uma explosão imobiliária e comercial desde que as autoridades expulsaram os traficantes ou retiraram deles o controle dos bairros.

Rocinha e Vidigal, vizinhas de bairros como Leblon, Gávea e São Conrado, são o exemplo deste desenvolvimento, constatado por um estudo do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social publicado em março, que mostra como os comércios locais aumentaram suas vendas em 26% desde que a Polícia se instalou na região.

As pacificações destes bairros fez florescer o mercado imobiliário. Os preços de compra, venda e de aluguéis já superam em muitos casos os preços de bairros tradicionais da cidade.

Tudo começou no final de 2008, quando o Governo do estado começou uma campanha de ‘reconquista’ de territórios até então dominados por traficantes que aproveitaram o abandono do Estado durante décadas para operar livremente nessas áreas.

O arquiteto Hélio Pellegrino, por exemplo, comprou um terreno no Vidigal, que faz divisa com o Leblon, um dos bairros com o metro quadrado mais caro de toda a América do Sul, quando os traficantes ainda ostentavam o comando confortavelmente.

“Uma casa que antes custava R$ 50 mil agora custa mais de R$ 250 mil”, disse Pellegrino. Este arquiteto está construindo um pequeno hotel de 11 quartos que terão vista privilegiada para o mar e para a praia de Ipanema.

A favela Vidigal é disseminada pela encosta de uma montanha, por isso que muitos de seus humildes habitantes têm uma vista que seria desejável até pelos que pagam aluguéis estratosféricos em qualquer outro ponto da cidade.

A redução da violência relacionada com o narcotráfico ajudou a aumentar o valor dos edifícios em toda a cidade em mais de 15%, segundo um estudo realizado pelo International Growth Centre.

“As favelas já são o único espaço para fazer um bairro sustentável, as casas destas comunidades são o organismo arquitetônico mais vivo que já vi”, explica Pellegrino.

Continua após a publicidade

Tão vivos que as instalações elétricas das casas ainda são emaranhados de cabos indecifráveis até para o técnico mais esperto.

Maria Edilene, que administra uma pequena mercearia e serve sucos tropicais no balcão de sua própria casa, também sente a melhora na região desde que a UPP chegou ao Vidigal em janeiro, dois meses depois de policiais e militares ocuparem o território.

“Antes os turistas não vinham por medo, agora passam por aqui para subir o morro Dois Irmãos. Além disso, a Prefeitura fez obras que eram necessárias”, afirmou.

Um casal de agentes da Polícia Militar que percorre o bairro afirmou que o Vidigal “é a favela mais tranquila do Rio”. Desde que chegaram, não tiveram que intervir em nada mais que “brigas matrimoniais e algumas discussões de bêbados”, acrescentam.

A vida no Vidigal, assim como na vizinha Rocinha, é efervescente, com milhares de pessoas que sobem e descem suas estreitas e íngremes ruas cheias de pequenos comércios de roupas e comida.

Seus caminhos são tão estreitos que o transporte mais usado para subir para casa com as compras são os ‘moto-táxis’, que percorrem por menos de um dólar em um instante vielas que lembram os centros históricos das cidades medievais europeias.

Um exemplo do aumento de viajantes e turistas na região é o hotel Casa Alto Vidigal que quando abriu, há um ano, quase não tinha hóspedes, segundo explicou Tomás, um austríaco encarregado da administração, que acrescenta que agora é difícil conseguir uma cama ou um quarto livres.

Muitos dos que chegam a este hotel atraídos pelo baixo preço e pelas vistas espetaculares são turistas europeus, como Raphael, um alemão que visita o Rio pela segunda vez e afirma que da favela é possível ver uma cidade ‘muito diferente’.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)