Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Euro cai abaixo de 1,28 dólar pela primeira vez em 16 meses

Por philippe huguen 5 jan 2012, 12h17

O euro registrou nesta quinta-feira seu mínimo em 16 meses ante a divisa americana ao cair abaixo de 1,28 dólar em meio de temores persistentes sobre a crise da dívida na Eurozona.

Às 14H07 GMT (12H07 de Brasília), o euro era cotado a 1,2797 dólar, seu mínimo desde setembro de 2010, antes de subir ligeiramente nos minutos seguintes.

Pouco antes, às 13H15 GMT (11H15 de Brasília), a moeda única europeia havia caído aos 98,48 ienes, uma cotação inédita desde setembro de 2000.

“A pressão sobre o euro é constante”, disse Ian O’Sullivan, analista da Spread Co. “Os temores sobre a crise da dívida simplesmente não desaparecem e estão inclusive se intensificando”, completou, advertindo que o patamar de 1,25 dólar é agora uma cotação realista.

Outro analista, Nick Stamenkovic, de RIA Capital Markets, disse que os investidores estão nervosos ante a possibilidade de que o frágil setor bancário na Espanha precise de apoio externo, que passaria fatura à moeda única.

O ministro espanhol de Economia, Luis de Guindos, afirmou em uma entrevista publicada na quinta-feira no diário Financial Times que o banco espanhol precisaria de 50 bilhões de euros (65 bilhões de dólares) em disposições adicionais para reforçar sua estabilidade.

A aceleração da queda do euro se produziu após uma emissão de obrigações da França que cumpriu seu objetivo de arrecada 7,963 bilhões de euros, mas com menos demanda que na última operação similar.

“A França enfrenta os mesmos problemas que os chamados países periféricos da Eurozona, já que possui dívida excessiva em um contexto de desaceleração da economia (…) Seu ‘triplo A’ é severamente questionada pelas agências de classificação” financeira, disse Simon Denham, da Capital Spreads.

O euro perdeu 3% ante o dólar em 2011 devido aos temores de que a crise da Eurozona, que já exigiu o resgate de Grécia, Irlanda e Portugal, se estenda a economias mais importantes como Itália o Espanha.

Continua após a publicidade
Publicidade