Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Estatais deixam de investir R$ 15,4 bilhões em obras e projetos

Segundo relatório do Ministério do Planejamento, companhias executaram 86% dos investimentos previstos para 2014

Por Da Redação 2 fev 2015, 11h30

As estatais federais executaram 86% dos investimentos previstos para 2014, abaixo do índice de 92,1% registrado em 2013, o que mostra que as empresas do governo deixaram de aplicar cerca de 15,4 bilhões em obras e projetos no país no ano passado. Os dados constam de relatório do Ministério do Planejamento publicado nesta segunda-feira no Diário Oficial da União. Segundo o documento, a dotação final de 2014 para essas empresas somou 111 bilhões de reais, dos quais 95,6 bilhões de reais foram executados.

O relatório divulga o desempenho de 68 estatais, sendo 62 do setor produtivo e seis do setor financeiro. A Petrobras aplicou 90,8%, ou um total de 65,5 bilhões de reais, de seu orçamento de 72 milhões de reais. A execução em 2014 da petrolífera, porém, foi menor do que a apresentada no ano anterior, quando a empresa desembolsou 72,6 bilhões de reais (97,6%) de um total de 74 bilhões de reais. Já o Grupo Eletrobras investiu 6 bilhões de reais em 2014, o equivalente a 70,5% do total de 8,8 bilhões de reais. A Infraero executou 74,9% de seu orçamento, aplicando 1,4 bilhão de reais em investimentos.

Leia também:

Guarulhos completa 30 anos ainda com a imagem de ‘bagulhos’

Santos tem ‘cemitério’ de imóveis com adiamento de planos da Petrobras

BNDES reduz para 50% a participação em financiamentos de energia

No setor financeiro, Caixa aplicou 1,8 bilhão de reais, ou 81,9% do total de 2,3 bilhões de reais. O Banco do Brasil investiu 1,9 bilhão de reais (62,8%) do valor global de 3,1 bilhões de reais. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) executou 64,9% de seu orçamento de 52 milhões de reais para o ano, um gasto de 33,9 milhões de reais. O documento revela ainda que a maior parte dos investimentos das estatais em 2014 foi destinada à Região Sudeste (28,2%), seguida de Nordeste (12,8%), Sul (2,4%), Norte (1,9%) e Centro-Oeste (0,5%). Outros investimentos foram feitos nas regiões caracterizadas como ‘nacional’ (46,6%) e ‘exterior’ (7,7%).

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade