Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Emprego industrial recua 0,1% em janeiro e 4,1% em um ano, diz IBGE

Setor volta a registrar queda depois de dezembro, com alta de 0,3%, ter interrompido uma sequência de oito meses seguidos de baixa

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 09h15 - Publicado em 20 mar 2015, 11h38

O emprego na indústria registrou ligeiro recuo de 0,1% na passagem de dezembro para janeiro, segundo a Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mês anterior, o total de empregados tinha registrado crescimento de 0,3%, quando interrompeu oito meses de taxas negativas consecutivas, período em que acumulou uma perda de 4,3%. Em relação a janeiro de 2014, o emprego industrial recuou 4,1%, o 40º resultado negativo consecutivo nesse tipo de comparação. Nos 12 meses encerrados em janeiro, o total de trabalhadores ocupados na indústria acumula queda de 3,4%.

Em janeiro, o valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria ajustado sazonalmente recuou 0,5% frente a dezembro. “Vale destacar que nesse mês verifica-se a influência positiva do setor extrativo (9,1%), influenciado especialmente pelo pagamento de participação nos lucros e resultados em importante empresa do setor, já que a indústria de transformação (-1,6%) apontou taxa negativa”, informa o IBGE.

Na comparação com janeiro do ano passado, o valor da folha de pagamento real recuou 4,2% em janeiro de 2015, oitava taxa negativa consecutiva neste tipo de comparação. O índice acumulado nos últimos doze meses recuou 1,8%, o resultado negativo mais intenso desde fevereiro de 2010 (-2,3%)

Leia mais:

Empresários e trabalhadores da indústria escrevem manifesto contra medidas fiscais

Continua após a publicidade

Produção industrial cai 5,2% em janeiro na comparação anual

Venda de veículos novos no Brasil despenca em fevereiro, indica Fenabrave

Já o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria cresceu 0,2% em janeiro frente ao mês imediatamente anterior, interrompendo oito meses de taxas negativas consecutivas. Na comparação com janeiro de 2014, o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria recuou 5,2% em janeiro de 2015, 20ª taxa negativa consecutiva neste tipo de levantamento.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.